Segredos


Irá encontrar nesta página todos os artigos do blog HomeTown da secção Segredos

Segredos

Lisboa secreta: A infinita riqueza de azulejos

3 anos atrás - Julie D.

Recordar lisboa traz imediatamente à mente a calma e frescura de um pátio ou um interior onde o calor do Mediterrâneo é temperado pelo material frio do azulejo cerâmico esmaltado e os seus agradáveis tons aquáticos. Esta frescura não é apenas imaginária: os azulejos permitem um certo grau de ar condicionado "natural". Os azulejos, um azul enganador Os azulejos decoram todos os espaços, desde os mais opulentos até aos mais modestos. Os seus motivos mais famosos são os frescos azuis e brancos, inspirados pelo Delftware, que retratam episódios bíblicos ou históricos, cenas da vida quotidiana, idílios rurais, numa imensidão de flores estilizadas, pergaminhos e padrões geométricos. "Azulejo" não vem da palavra "azul"... não, a palavra "azulejo" vem do árabe "al zulaiga", "pedra pequena e polida". Para os mouros instalados em Espanha, era uma questão de imitar os mosaicos romanos. Se os azulejos estão principalmente associados a Portugal, o uso de telhas de faiança ou terracota esmaltada para decorar o interior ou fachadas de casas espalhou-se aqui e ali na bacia do Mediterrâneo: Espanha possui os mosaicos árabes-andaluz ou "mudéjares", e ainda hoje se podem encontrar em Marrocos o "zellige", fragmentos de cerâmica colorida para compor padrões geométricos abstratos. Mas os azulejos portugueses tomaram um caminho próprio. Explosão de cores e inspiração, os azulejos sabem como absorver as diferentes modas, as tendências, todas as inovações, ao longo dos anos, para expressar as várias subtilezas das artes decorativas portuguesas. Um bom exemplo: a figura de convite, mesmo de Portugal. Disseminados aqui e ali em ruas aleatórias, esses personagens de tamanho natural observam o transeunte nos olhos e convidam-no a entrar. Os azulejos em Lisboa, cinco séculos de história Os azulejos de faiança chegaram a Portugal no início do século XVI e nunca mais partiram. Foi o rei D. Manuel I de Portugal, durante uma visita a Sevilha, que foi seduzido por mosaicos espanhóis e azulejos inspirados nas técnicas árabes-andaluzas. Em Portugal, os azulejos refletiram todos os movimentos artísticos e todas as inovações técnicas. Majólica italiana, azulejos azuis de Delft: a paixão do português rico do século XVII para a última moda da faiança já não foi negada. O azulejo é um modo de expressão extremamente flexível, que acolhe todas as inspirações. Cenas religiosas ou do quotidiano, motivos abstratos, macacos de flauta e outros motivos rococó, depravação de cores ou bicromo calmante minimalista em azul e branco ... o azulejo é um género artístico que reflete os grandes movimentos do intelectual e vida material de Portugal. Mais fáceis de manusear e menos caros do que pedra esculpida, os azulejos e elementos de faiança também fizeram os bons dias do Art Nouveau. Em Viena, com o Jugendstil, em Budapeste, em Barcelona, com a deslumbrante escada azul da Casa Batlló, arquitectos e artistas exploram as infinitas possibilidades de um material versátil, que se escolhe para todas as fantasias. Os azulejos portugueses, cuja popularidade nunca foi negada, também fazem parte desse movimento. Variados são os processos de fabricação: variam de técnicas artesanais de telhas pintadas à mão para as inovações engenhosas que permitiram produções em massa: passamos então a uma técnica de transferência de padrões comparável ao decalque. O humilde azulejo deve a sua perpetuidade à sua modéstia. Ele continua a inspirar os artistas até aos dias de hoje: o pequeno quadrado é o companheiro perfeito de todas as experiências e todas as audacidades plásticas. Para alguns, como Maria Keil, o azulejo torna-se um meio de predileção. Não perca a "La Mer" na Avenida Infante Santo, o seu enorme afresco de azulejos completado em 1959. Ela dizia rindo-se: "Eu trabalho com uma técnica milenar, num pequeno quadrado de 14 cm por 14 cm, e com tinta à base de água... E talvez porque é um meio tão modesto, que não é apreciado pelo seu valor certo. " Onde ver azulejos em Lisboa? Vamos começar por apanhar o metro... Longe de ficar confinado num cartão datado, os azulejos continuam a ser utilizados para a decoração dos espaços públicos. Este é, naturalmente, o caso do metro de Lisboa: desde a sua abertura na década de 1950, várias estações de metro foram suntuosamente decoradas com afrescos de azulejos confiados a artistas de renome. A ideia original seria usar azulejos como cobertura de parede. Seria a do arquiteto Francisco Keil do Amara e da sua esposa, Maria Keil, a grande dona das belas artes portuguesas. Para poder realizar este projeto, apesar dos fundos limitados, o casal Keil desenvolveu uma decoração abstrata engenhosa. Por conseguinte, era suficiente recombinar com facilidade os azulejos para obter, a partir de uma gama limitada de cores e padrões, uma decoração infinitamente diferente que varia de estação para estação. Durante a expansão do metro, no final da década de 1980, foi decidido continuar na mesma linha, atribuindo a realização de afrescos a vários artistas contemporâneos. Pode-se assim descobrir as obras de Rolando de Sá Nogueira na estação das Laranjeiras, Júlio Pomar na estação Alto dos Moinhos, Manuel Cargaleiro na estação Colégio Militar / Luz e Vieira da Silva na estação Cidade Universitária. A estação de metro do aeroporto foi redecorada em 2014 pelo designer António Antunes. Os seus imensos afrescos recebem os viajantes que chegam a Lisboa, organizando os ícones da cultura portuguesa: a cantora de fatos Amália Rodrigues, o futebolista Eusébio, o arquiteto Pardal Monteiro, o artista Rafael Bordalo Pinheiro (também um grande ceramista), o artista Almada Negreiros, o poeta Fernando Pessoa, bem como José Saramago, vencedor do Prémio Nobel de Literatura. Azulejos em Lisboa, a não perder... O Museu Nacional do Azulejo: Museu Nacional Do Azulejo Uma visita refrescante e bem planejada de aproximadamente 1h30 espera por si no Museu Nacional de Azulejos, alojado num antigo convento de Clarissas, fundado em 1509. Aqui vai descobrir as principais etapas do desenvolvimento dos azulejos, dos mosaicos árabes-andaluzes ao contemporâneo Criações. No museu, os avisos estão em português, portanto, não se esqueça de fazer o download do aplicativo gratuito: uma vez que o idioma escolhido (português, inglês ou linguagem gestual) guia os visitantes através de 33 folhas descritivas do piso térreo até ao segundo andar do museu. No segundo andar, o fresco que representa Lisboa antes do terramoto de 1755 é uma das jóias do museu. No claustro, pequenas figuras esculpidas apoiam a bacia da fonte enquanto se queixam sobre o peso! Museu Nacional do Azulejo - Rua da Madre de Deus, 4, 1900-312 Lisboa – de Terça a Sábado das 10h00 às 18h00. O Palácio de Sintra O palácio de Sintra é a residência medieval dos reis de Portugal. Foi aqui que D. Manuel I, inicialmente, queria apresentar o uso dos incríveis azulejos ricos. Um dos motivos é o seu brasão, a esfera armilar, que é repetida infinitamente nas paredes. Esta esfera, que que representa a celestial, está até hoje, na bandeira portuguesa. Veja também o nosso artigo de Sintra. Palácio de Sintra - Parque de Monserrate, Sintra - Aberto durante todo o ano, excepto nos dias 25 de Dezembro e 1 de Janeiro, das 9h30 às 19h. Em confidência... A Atrio Tiles é a criação de um português que vivia nos Estados Unidos. Oferece jóias deliciosas com formas românticas e motivos inspirados nos azulejos do palácio de Sintra e outros azulejos históricos: brincos, anéis coloridos e pulseiras encantarão os seus olhos. (Etsy Store aqui) O Palácio dos Marqueses de Fronteira: Palácio de Marqueses de Fronteira Desenhado como pavilhão de caça em 1671, o palácio ainda é a residência privada do marquês de Fronteira. Anto o interior, bem como o exterior, estão ambos decorados com azulejos. Frescos com acentos rústicos ou ingénuos representam cenas de caça, festivais de campo e cenas de batalha. Você será capaz de encontrar os pequenos detalhes incomuns? O Salão das Batalhas, do Palácio (Sala das Batalhas) foi apelidado de "Capela Sistina dos Azulejos" e comemora a vitória da casa de Bragança contra os Habsburgo de Espanha na Guerra da Restauração Portuguesa. Palácio de Marqueses da Fronteira - Largo São Domingos de Benfica 1, 1500-554 Lisboa - de segunda a sábado das 10h às 17h - visitas guiadas às 11h e 12h / meio dia, bem como às 10h30 e 11h30 de Junho a Setembro Onde comprar azulejos autênticos em Lisboa? Azulejos MMA A loja Manuel Marques Antunes mostra-nos azulejos antigos e também responde a pedidos, como esta ideia de decoração original: usar os azulejos como cartões de lugar para os lugares na mesa de um casamento. Azulejos MMA - Rua do Jardim 75A, Bicesse 2645-343 Alcabideche - de segunda a sábado das 9h às 13h e das 14h às 18h; fechado aos sábados em agosto e setembro. Fabrica Sant'Anna A Fábrica Sant'Anna produz azulejos modernos e reedições de antiguidades, fabricados em série ou decorados com cuidado à mão: um verdadeiro trabalho de artesãos. É possível encomendar telhas personalizadas, para obter exatamente o padrão e tons que se deseja, por exemplo, para um projeto de decoração muito preciso. Além dos azulejos comuns, existem muitos outros objetos de porcelana. Fabrica Sant'Anna - atelier Calçada da Boa Hora, nº96 - sala de exposições Rua do Alecrim, 95, 1200-015 Lisboa - Oficina aberta de segunda a sábado das 9h30 às 19h. Galeria Ratton Ceramicas A Galeria Ratton Ceramicas oferece criações de artistas contemporâneos de diversas origens, que escolheram o azulejo como meio de expressão. Exibições recentes tornaram possível descobrir ou redescobrir as obras de Jun Shirasu, Maria Beatriz ou Graça Morais. A galeria oferece retrospectivas fascinantes, que contrastam as cerâmicas e desenhos ou pinturas de cada artista. Galeria Ratton Ceramicas - Rua da Academia das Ciências, 2C, Lisboa – De segunda a sexta-feira das 10h às 13h30 e das 15h às 19h30. Solar Azulejos Antigos O catálogo especializado em antiquário Solar  vai dos azulejos mouros do século XV, para as fantasias do Art Deco do século XX. Salvos com cuidado de edifícios prometidos para demolição, ou pelo menos de uma renovação drástica, esses ladrilhos representam todos os estilos arquitetónicos e todas as correntes artísticas. Eles são vendidos com o seu certificado de autenticidade. Todos vão encontrar a sua felicidade aAzulejos Antigos dos mesa num casamentoí, do pequeno azulejo vendido à unidade, até aos frescos intactos de dezenas de azulejos que representam cenas de iguarias do século XVIII. Solar Azulejos Antigos – Rua D. Pedro V 70, 1250-094 Lisboa – De segunda a sexta-feira das 10h às 19h, sábado das 10h às 13h.

Ler mais
Lisboa secreta: A infinita riqueza de azulejos

Lisboa secreta: A infinita riqueza de azulejos