Cultura e Arte


Irá encontrar nesta página todos os artigos do blog HomeTown da secção Cultura e Arte

Cultura e Arte

Alfama, o bairro mais antigo de Lisboa

1 ano atrás - Léa D.

Uma história rica de surpresas Você sabia que Alfama é um derivado do árabe "alfa maa", que significa as mil fontes? Nome encantador para este bairro emblemático e típico da nossa cidade de mil cores! Localizado entre o Castelo de São Jorge e o Tejo, você vai encontrar muitas atrações históricas e restaurantes ... deixe-nos guiá-lo. Alfama é um bairro muito acolhedor, com uma atmosfera de aldeia. É considerado um dos bairros mais antigos da cidade e acolhe todos os anos várias festas populares, como a de Santo António de Pádua, de 12 a 13 de junho. Dominado, por sua vez, pelas influências orientais e ocidentais, Alfama carrega a marca dos quatro cantos do mundo: é isso que o torna tão encantador. O distrito tem os seus domínios num grupo de fontes térmicas, daí a origem do seu nome mencionado acima. No topo de Alfama fica o famoso Castelo de São Jorge, um castelo medieval que foi a residência real até o século XVI. Para observar a cidade e os seus monumentos, é preciso chegar aos miradouros: o de Santa Luzia é um dos mais conhecidos. Perto desse miradouro está o Museu de Artes Decorativas, uma mansão do século XVII com magníficos interiores. Localizado no antigo palácio do Conde de Azurara (século XVII), este museu evoca a vida quotidiana de Lisboa nos séculos XVII e XVIII através de uma sucessão de pequenos quartos íntimos decorados com azulejos e frescos. Os últimos são adornados com móveis portugueses e indo-portugueses, coleções de talheres, porcelana chinesa e várias tapeçarias dos séculos XVI e XVIII. O 3º andar tem uma sala de exposições temporárias e uma cafetaria com um pátio acolhedor. Morada: Largo das Portas do Sol 2, 1100 Lisboa Telefone: +351 218 881 991 Nossos melhores endereços culinários Depois de uma longa caminhada, nada bate uma refeição preparada com cuidado! Pateo 13 Para um jantar pitoresco nas movimentadas ruas de Lisboa, nada supera o Pateo 13: desfrute do seu peixe fresco e pão branco sob notas musicais tocadas por músicos de rua: um momento cheio de vida, cheio de alegria e saciedade! Calçadinha de Santo Estêvão 13, 1100-219 Lisboa, Portugal Canto Da Vila Um restaurante brasileiro em Lisboa: um lugar a não perder. Num pequeno terraço, desfrute de um mojito fresco enquanto escolhe de que forma você quer saborear 0 seu bacalhau ... Copioso e delicioso! Rua Limoeiro 2, 1100-538 Lisboa, Portugal Fado Na Morgadinha O lugar perfeito para comer e dançar Fado, uma música tradicional portuguesa. Você também tem a possibilidade de tomar uma bebida enquanto admira os dançarinos do bar. Largo Peneireiro 5, 1100-219 Lisboa, Portugal Cruzes Credo Para um brunch vintage, é o lugar para estar! Um bom hambúrguer, uma salada acompanhada de um sumo de fruta fresca: algo para revigorar depois de descobrir as ruas de Lisboa. Rua Cruzes da Sé 29, 1100-192 Lisboa, Portugal O Prego Para desfrutar de um hambúrguer ou tapas num ambiente festivo. Assim como em casa, venha e restaure-se, O Prego! Largo Menino de Deus 14, 1100-375 Lisboa, Portugal Um Must: O Fado O fado é um estilo musical tradicional português. Muitas vezes há um cantor ou cantora acompanhado por duas ou três pessoas com instrumentos (guitarra, guitarra portuguesa, violino e violoncelo às vezes). O fado é ouvido em total silêncio e propõe uma multiplicidade de emoções (a saudade). No distrito de Alfama, aqui estão 2 lugares para descobrir o fado: Fado em Si é uma instituição onde todos os grandes nomes do fado passaram. Boa comida, 4 a 5 fadistas profissionais todas as noites que oferecem um serviço de alta qualidade: as condições ideais para descobrir a tradição portuguesa do fado. Arco de Jesus 7, Alfama, 1100-037 Museu do Fado onde um concerto ao ar livre é regularmente realizado no terraço. Para descobrir toda a história do fado ... Largo do Chafariz of Dentro 1 Picture 3 – Fado

Ler mais
Alfama, o bairro mais antigo de Lisboa

Alfama, o bairro mais antigo de Lisboa

Cultura e Arte

Explore Lisboa a bordo do mítico Elétrico 28

1 ano atrás - Valérie D.

Os elétricos de Lisboa são para a capital portuguesa o que os autocarros vermelhos de dois andares são para Londres: máquinas que fazem parte do cenário e que nos permitem explorar a cidade das formas mais pitorescas. A linha 28E é a mais emblemática, oferecendo uma gama de descobertas particularmente ampla, entre monumentos e tesouros escondidos. Nascida em 1914, a lendária linha E28 ("E" para "eléctrico") do elétrico de Lisboa serve o centro de Lisboa e as suas colinas. Este meio de transporte centenário é, sem dúvida, a melhor maneira de percorrer as mais íngremes ruas, poupando ao mesmo tempo, o tedioso exercício de percorrer as encostas pavimentadas a pé. Se ainda parece um brinquedo de colecionador, este "Remodelado" tem duas qualidades que os eléctricos modernos não têm. Há, claro, o charme antiquado deste carro amarelo único, com bancos de madeira polida. Mas, este veículo tem especialmente a possibilidade técnica de fazer um circuito com curvas apertadas, em colinas íngremes. Desde a sua partida na Praça do Martim Moniz, até à sua chegada ao cemitério dos Prazeres, no bairro de Campo Ourique, as 35 paragens da linha 28 podem ser feitas nuns bons quarenta minutos. Mas também pode optar por usá-lo num estilo "hop on / hop off", passar o dia explorando o ambiente mais notável e desfrutar de bons endereços que recomendamos aqui. Vista real da Graça Vamos passar rente às paredes na subida da colina da Graça: aqui bate o coração de uma Lisboa popular. É nesta área, a poucos minutos a pé da paragem da Rua de Graça, que pode aceder a uma das mais belas vistas da cidade de Ulisses. Porque quem diz colina, diz ponto de vista! Inconfundível, o Miradouro da Senhora do Monte é o mais alto e, certamente, um dos miradouros mais bonitos de Lisboa. Ele oferece uma vista deslumbrante do medieval Castelo de São Jorge, e uma vista panorâmica da cidade velha até à ponte 25 de Abril. O eléctrico passa em frente ao mosteiro branco de São Vicente da Fora, museu e local de sepultamento dos reis portugueses: reserve um tempo para uma paragem real. O claustro deste mosteiro é decorado com azulejos do século XVIII, onde o turista francês reconhecerá facilmente uma ilustração de 38 fábulas do poeta Jean de La Fontaine. Claustro que hoje abriga o Panteão Real da dinastia Bragança. Contém 44 túmulos, incluindo o da rainha Amélia (dona Amelia d'Orleans e Bragança), a última rainha de Portugal, nascida em França. Então, pense em subir ao terraço para desfrutar de uma vista de 360 ° da cidade chamada "Rainha do Tejo". Mosteiro e claustro de São Vicente da Fora – Largo de São Vicente Horário de funcionamento: terça a domingo, das 10 às 18 horas. Alfama: postal e tesouros culturais Deixamos este antigo bairro da Graça para encontrar outro: o de Alfama, aos seus pés. A paragem no Largo das Portas do Sol é imperdível para qualquer estadia em Lisboa. Esta imagem de Lisboa que todos temos em mente está aqui: os telhados vermelhos, a cúpula branca do Panteão, o azul do Tejo. Esta é uma oportunidade para mergulhar os olhos na alma de Lisboa a partir do amplo terraço do bar de cocktails Portas Do Sol. Num ambiente lounge, pode desfrutar de um brunch ou uma refeição leve e saborear uma ginja ou uma bica, enquanto se imagina andando pelos becos estreitos, escadas e passagens abobadadas pelas encostas. Portas Do Sol - Largo das Portas do Sol, Beco de Santa Helena Horário de funcionamento: segunda a sexta, das 9 às 19 horas A cem metros mais adiante, o mirante de Santa Luzia é outra obrigação de observar a cidade. O nosso eléctrico 28E continua a sua viagem, tremendo entre bancas de frutas e outras lojas, no bairro típico que sobreviveu ao terremoto de 1755. Sair! Não longe, podemos aprofundar a imersão cultural visitando o espaço A Arte da Terra, uma cooperativa que apresenta e comercializa artesanato português numa decoração abobadada e onde é possível provar vinhos e pastelaria locais. A Arte da Terra - Rua Augusto Rosa 40 Horário de funcionamento: todos os dias das 11h às 20h Visite poetas no bairro do Chiado Algumas curvas e solavancos depois, após atravessar o bairro da Baixa, a viagem do pequeno mas lendário eléctrico amarelo continua no Chiado. Pode cumprimentar a estátua do famoso poeta Português Fernando Pessoa, sentado no terraço do Café A Brasileira, que mencionámos num post anterior. O menino de bairro, amante do café, era frequentador deste estabelecimento. É um dos mais antigos da capital, uma instituição que manteve a sua decoração de 1900 e os seus intelectuais públicos tradicionais (mas, agora, também muitos turistas). Será que alguns pasteis de nata e um café expresso perto da sua mesa preferida irão talvez inspirar alguns versos em homenagem às belezas de Lisboa? O bairro do Chiado também tem o nome do poeta António Ribeiro. Não surpreende encontrar, um pouco mais longe, a estátua de outro escritor, Luís de Camões, na praça do mesmo nome. Popular, real, a capital é aqui também literária. A Brasileira - Rua Garrett 20 Horário de funcionamento: todos os dias das 8h às 2h Uma chegada sob a ‘estrela da sorte’ da Estrela A viagem do elétrico 28E está prestes a acabar, e diante dos nossos olhos os monumentos de Lisboa continuam a brilhar: a Assembleia Nacional ou o funicular da Bica. Entra finalmente no bairro histórico da Estrela, em torno da sua basílica de mármore branco em estilo barroco. O Jardim da Estrela, bem em frente, é uma paragem onde pode passear entre as árvores exóticas ou sentar-se num banco - muito mais relaxante do que os elétricos, muitas vezes cheios. E como estamos no bairro da Estrela, por que não acabar o seu passeio com um jantar num restaurante gourmet premiado pelo Guia Michelin? O Loco, localizado junto à Basílica da Estrela, revela aos seus clientes a sua cozinha numa decoração muito moderna. Este estabelecimento que ostenta uma estrela Michelin é o de Alexandre Silva, primeiro vencedor do Top Chef Portugal, que gosta de valorizar os produtos locais. Um final perfeito para terminar a viagem tão característica que oferece o eléctrico 28E no coração dos vários sabores de Lisboa. Loco - Rua Navegantes 53 Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 19h às 23h Última dica antes de embarcar: lembre-se de trazer o seu passe da rede Viva Viagem 24h Carris, e escolher a sua agenda para evitar a multidão.

Ler mais
Explore Lisboa a bordo do mítico Elétrico 28

Explore Lisboa a bordo do mítico Elétrico 28

Cultura e Arte

Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

2 anos atrás - Julie D.

Para os amantes de romances, há poucos prazeres mais agradáveis do que descobrir um lugar real nas pegadas de um renomado escritor. Felizmente para os leitores inveterados, Lisboa não é apenas uma cidade de cultura e história, mas também a cidade da alma de vários grandes escritores. Se já conhece os romances de José Saramago, Prémio Nobel de Literatura, vai encontrá-los com prazer, como velhos amigos. Se ainda não teve a oportunidade de descobrir a sua prosa, uma estadia em Lisboa é o momento perfeito! Prepare a sua próxima estadia em Lisboa, mergulhando no universo profundamente humano dos romances de José Saramago. Em Lisboa, pode visitar a Fundação José Saramago, ou seguir a rota turística Memorial do Convento que o levará ao Palácio Nacional de Mafra, seguindo os passos de Baltasar e Blimunda, heróis do romance que leva os seus nomes. Lisboa vista com o coração: José Saramago, quem é você? José Saramago nasceu em 1922 numa pequena aldeia a norte de Lisboa, na Azinhaga, numa família de camponeses pobres. A sua família mudou-se para Lisboa dois anos depois do seu nascimento. Ele passou a maior parte da sua vida em Lisboa, até ao seu exílio em Lanzarote em 1992, após uma controvérsia em que se opunha ao governo português na época. Lisboa pura, Saramago amava esta cidade que conhecia intimamente. Mas ele sempre permaneceu ligado à Azinhaga, a aldeia da sua infância e a aldeia dos seus avós. No seu discurso pelo Prémio Nobel de Literatura em 1998, conta como os seus avós deram-lhe o gosto da imaginação, o amor à natureza e uma inesgotável curiosidade pelo folclore português. Num de seus livros mais recentes, The Notebook, que inclui muitos textos que o escritor publicou pela primeira vez no seu blog, ele escreveu uma carta de amor real em Lisboa: "Eu estaria interessado, não apenas em saber, mas também em ver, no verdadeiro sentido da palavra, como Lisboa mudou desde aqueles dias. Se o cinema existisse então, se os antigos cronistas tivessem sido cinegrafistas, se as mil e uma mudanças que Lisboa conheceu ao longo dos séculos tivessem sido registradas, então poderíamos ter visto esta Lisboa de oito séculos crescer e mover-se como um ser vivo, como aquelas flores que a televisão nos mostra, que abrem em poucos segundos, do botão ainda fechado ao esplendor final de formas e cores. Eu acho que teria gostado mais desta que de Lisboa.” Quando era criança, ele conhece a pobreza: em todas primaveras a sua mãe levava as capas da família para a casa de penhores, com o objetivo de recuperar algum dinheiro, e esperar poder comprá-las no início do inverno ... Por causa dessas dificuldades, e embora ele fosse um excelente aluno, os seus pais não podiam matriculá-lo na faculdade privada. Ele fez os estudos técnicos antes de trabalhar como mecânico. Saramago já era um leitor ávido, embora seja pobre demais para ter os seus próprios livros. Aos 19 anos e com um empréstimo de um amigo, ele comprou os seus primeiros livros. Saramago também se tornou tradutor e jornalista. Escritor prolífico, publicou numerosos artigos, coleções de poesia e vários romances, antes de finalmente se tornar famoso aos 60 anos, com a publicação de seu romance Memorial do Convento. Morreu em 2010 e as suas cinzas estão enterradas à sombra de uma oliveira centenária, em frente à Casa dos Bicos, que abriga a Fundação José Saramago. A Casa dos Bicos – Fundação José Saramago A muito bonita Casa dos Bicos, é um exemplo muito interessante da arquitectura portuguesa do século XVI. Construído em 1532 para os Bras de Albuquerque, filho do vice-rei das Índias Portuguesas, é decorado na sua fachada com pedras pontiagudas. Bras de Albuquerque, que supervisionou a sua construção, provavelmente foi inspirado por exemplos do Renascimento italiano, como o Palazzo dei Diamanti em Ferrara.. A Casa dos Bicos sofreu enormes danos durante o terramoto de 1755. Os seus dois andares superiores foram reconstruídos apenas em 1983, respeitando a aparência original da casa, com as suas janelas de duas pontas. Desde 2012, a Casa recebe a Fundação José Saramago, com uma exposição permanente dedicada à vida e obra do vencedor do Prmorreram nadando do Brasil, colôa app´eemio Nobel de Literatura. A exposição reúne objetos pessoais e manuscritos do autor e recria o seu local de trabalho. Casa dos Bicos - Fundação José Saramago - Rua dos Bacalhoeiros, 10, 1100-135 Lisboa - Horário: de segunda a sábado 10h às 18h Nos passos de Saramago, de Lisboa a Mafra: la Rota Memorial Do Convento Recentemente inaugurada, a nova rota cultural "Memorial do Convento" oferece a oportunidade para uma excursão agradável, nos sites reais que inspiraram José Saramago para o seu romance. O percurso tem início em Lisboa, na Praça da Figueira, passa pela Casa do Bicos, continua até Sacavém, onde os visitantes descobrirão um centro de informação sobre o percurso cultural para a biblioteca municipal Ary dos Santos. Chegamos então a Loures, para descobrir vários locais da cidade. O percurso termina em Mafra e, claro, inclui o Palácio Nacional, que serve de pano de fundo ao romance. Esse passeio cultural, que acaba de ser inaugurado, incluirá um site e uma app.Baltasar e Blimunda é o romance que serve como guia para essa jornada. Transporta-nos para o século XVIII, durante a construção do Palácio de Mafra. O romance fala dos amores de Baltasar, um trabalhador de uma mão envolvido na construção do palácio, e Blimunda, uma jovem mulher com um dom singular de clarividência. Eles participam do desenvolvimento de uma máquina voadora mágica, mas a Inquisição não vê isso tudo com bom olho... Palácio Nacional de Mafra A via literária termina no Palácio Nacional de Mafra, a 40km de Lisboa. Para celebrar o nascimento de um herdeiro, João V de Portugal honrou a sua promessa de construir um mosteiro franciscano. Originalmente, era para ser um mosteiro simples e austero para acomodar 13 monges franciscanos que faziam voto de pobreza. Mas dois anos após o início do projeto, João V muda de idéias: os cofres da Coroa estão cheios graças ao ouro vindo do Brasil, colónia portuguesa, e João V decide construir, não um humilde mosteiro, mas um sumptuoso palácio. que servirá como uma segunda casa e alojamento de caça para a família real. Quatro hectares, 1.200 quartos, 156 escadas e 29 pátios, o mínimo que podemos dizer é que João V não poupou nada! O palácio, construído inteiramente de mármore e pedra da região, é ricamente decorado com esculturas e pinturas encomendadas pelos maiores mestres italianos da época. Hoje, apreciamos a vasta biblioteca de 36.000 volumes, os 6 órgãos da basílica e a sumptuosa decoração deste palácio, uma obra-prima do barroco, que bem poderia merecer o nome de Versailles portuguesa ... o que teriam dito os heróis de Saramago? Estes morreram antes do palácio ter terminado!

Ler mais
Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

Cultura e Arte

Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

2 anos atrás - Julie D.

A cidade das Sete Colinas é famosa pelos seus diferentes bairros. Todas as principais áreas de Lisboa para visitar, têm uma personalidade e um encanto próprio. Ir conhecê-los é descobrir sete (ou mais!) modos de vida muito diferentes na cidade. Sete colinas, sete bairros de Lisboa para visitar ... A capital portuguesa deve, talvez, o seu encanto ao número mágico! De norte a sul e de leste a oeste, siga o guia para apreciar as especificidades dos bairros de Lisboa para visitar. Parque das Nações Este bairro de Lisboa foi renovado e reconstruído em grande parte para a Exposição Mundial de 1998 Lisboa. Uma vez que o antigo terreno industrial foi totalmente refeito, conseguiu acomodar onze milhões de visitantes. Hoje, o Parque das Nações está aberto a todos, e poderá desfrutar dos jardins nas margens do Tejo, ou visitar o Oceanário, que é o maior da Europa. Também foi eleito o melhor Oceanário do mundo em 2017. O aquário contém 5 milhões de litros de água do mar e permite que descubra a fauna e a flora dos oceanos. Mas atenção, não vemos só peixes! As adoráveis lontras e pinguins do mar também estão lá para nos lembrar que mamíferos e pássaros fazem parte dos ecossistemas marinhos. Um programa familiar ideal. Oceanário de Lisboa - Parque das Nações - aberto todos os dias das 10h às 19h no inverno e até às 8h no verão (fechado pela manhã em 25 de dezembro e 1º de janeiro) - ingresso adulta € 16,20, crianças de 4 a 12 e idosos € 10,80. Para os viciados em compras, a antiga entrada principal da Expo foi transformada num centro comercial. O centro comercial Vasco de Gama reúne a maioria das principais marcas internacionais. Centro Comercial Vasco da Gama - Parque das Nações - aberto diariamente das 9h às meia-noite, lojas abertas das 10h às meia-noite. Alfama Alfama é o bairro mais antigo de Lisboa para visitar, até mesmo resistiu ao terremoto de 1755. O seu nome vem do Al-Hamma árabe, o que significa uma fonte termal. Historicamente, era o distrito de pescadores e marinheiros, nas margens do rio Tejo, e ainda mantém a reputação de ser um distrito popular. É um encantador labirinto de ruas medievais, e também abriga o Castelo de São Jorge, primeiro "castelo dos mouros" antes de ser reconquistado pelos cristãos em 1147. Do castelo, há uma vista magnífica sobre o Tejo e a cidade. Para desfrutar de outras vistas panorâmicas dos bairros de Lisboa, deverá ir a um dos muitos miradouros. O Miradouro de Santa Luzia, não muito longe do castelo, tem uma vista deslumbrante. O outro monumento de Alfama é a Sé de Lisboa, simplesmente chamado de "Sé". A sua construção começou no momento da captura do castelo, em 1147, para celebrar a reconquista cristã. É um monumento de pedra cinzenta austero - gótico, que teve muitas vicissitudes. Baixa, ou Baixa Pombalina Continuando ao longo do Tejo, chegamos a um dos bairros mais famosos de Lisboa para visitar: a Baixa, ou seja, a cidade baixa. Construído de acordo com princípios arquitetónicos e urbanos inovadores após o terremoto de 1755, a Baixa é um bairro elegante e arejado com amplas avenidas num piso de calçada, onde as ruas se cruzam em ângulos retos. À direita nas margens do rio Tejo, apreciará a beleza da Praça do Comércio, com os seus belos chapéus formando um padrão geométrico. No meio, a estátua monumental de José I serve como ponto focal e, ao redor da praça, as arcadas são o lar de lojas e cafés. Para apreciar este bairro de Lisboa, é melhor caminhar pelas belas ruas bem alinhadas como a Rua Augusta. Da Praça do Comércio, passa-se por baixo do magnifíco arco da Rua Augusta, que pode ser visitado. Por € 2.50, pode apanhar um elevador e duas escadas para chegar ao topo. Na Rua Augusta encontra-se o MUDE, o Museu do Design e da Moda, que abriga uma fascinante coleção de design do século XX. MUDE - Rua Augusta 24, 1100. E se você for a Lisboa em abril ou setembro, pode ter a oportunidade de descobrir as misteriosas galerias romanas subterrâneas. São apenas abertas alguns dias por ano, só com reserva, então não perca a oportunidade! Galerias Romanas da Rua da Prata - Rua da Prata 77, Lisbon 1100 - 026 O Chiado Continue a Rua Augusta até o Chiado, um dos distritos comerciais mais famosos de Lisboa. Bairro chique, está cheio de lojas, roupas, livros, jóias, mas também museus e cafés. É neste bairro que existe A Brasileira, o café de predileção de Fernando Pessoa, com a sua excelente fachada decorada com um azulejos frescos. Café A Brasileira - 120 Rua Garrett, Lisboa 1200-205 - aberto diariamente das 8h às 2h Para trazer de volta um objeto verdadeiramente português e para descobrir os jovens criadores do país, devemos ir para A Vida Portuguesa, Caverna de Ali-Baba saque já mencionámos numa publicação anterior. O Chiado é uma das mais belas áreas de Lisboa para visitar; nunca parou de descobrir os seus segredos na esquina de um beco ou na esquina de uma pequena praça. Praça de Luís de Camões, por exemplo, com as suas esplêndidas fachadas de pedra branca e o seu pequeno quiosque Art Deco, vale a pena o desvio. Sinaliza a fronteira entre Chiado e Bairro Alto. The Bairro Alto O Bairro Alto, que dorme durante o dia e vive à noite, é o bairro de corujas noturnas. Por mais de 20 anos, é aqui que nos encontramos com amigos para tomar uma bebida e desfrutar das belas noites de verão. Entre os muitos bons locais, recomendamos Portas Largas, com os seus generosos cocktails; os fãs de mojitos vão ao Clube da Esquina; e os audaciosos vão para Arroz Doce para pedir um "Pontapé". Em todos os lugares, ou quase todos, música ao vivo e festas loucas! Portas Largas - R. Da Atalaia 105, 1200-037 Clube Da Esquina – R. Da Barroca 30, 1200-036 Arroz Doce – R. Da Atalaia 119, 1200-383 Belém Agora devemos ir além da ponte de 25 de abril para se encontrar Belém, pátria dos famosos pastéis de Belém. O emblema do bairro é a torre defensiva maciça de Belém, que guarda a entrada do Tejo. Com seus grenéis graciosos, é reconhecido de longe. O Mosteiro dos Jerónimos, com a sua imponente fachada manuelina branca, impressiona com a delicadeza das suas esculturas, particularmente no claustro e na Igreja de Santa Maria. Este imenso e suntuoso conjunto arquitetónico foi financiado graças às grandes viagens de descoberta do Renascimento. Estas viagens são celebradas pelo Monumento das descobertas, inaugurado em 1960. Torre de Belém - Av. Brasília, 1400-038 - aberto das 10h às 17h30 no inverno, até às 18h30 no verão, fechado às segundas-feiras e alguns feriados. Mosteiro dos Jerónimos - Praça do Império 1400-206 - aberto das 10h às 17h30 no inverno, até às 18h30 no verão, fechado às segundas e alguns feriados. Monument of the Discoveries - Av. Brasília, 1400-038 - aberto das 10h às 18h e fechado às segundas-feiras no inverno, aberto todos os dias no verão, até as 19h, fechado em determinados feriados. Alcântara E aqui está o último dos principais bairros de Lisboa, Alcântara, bairro das docas do estuário do Tejo. De Belém, pode andar agradavelmente ao longo do passeio ao longo do rio, até a ponte de 25 de abril. Desde a década de 1990, Alcântara tornou-se o bairro de clubes noturnos: separados dos distritos residenciais por edifícios comerciais, permite que os amantes de festas aproveitem a noite sem perturbar os moradores. Durante o dia, também pode visitar um dos muitos restaurantes nas docas, as "Docas de Santo Amaro". Doc Cod serve o bacalhau tradicional, bem como a carne grelhada sobre um fogo de madeira num ambiente agradável em cima da marina. Um pouco mais à frente, o restaurante Ardemar serve deliciosa cozinha mediterrânea com um típico toque português. Doc Cod - Doca de Santo Amaro, Armazem 16, 1350-353 Ardemar - Docas of Santo Amaro, Armazem 4, 1350-353

Ler mais
Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

Cultura e Arte

Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico

2 anos atrás - Julie D.

O Largo do Carmo é um pequeno lugar tranquilo numas das colinas de Lisboa. Para ser descoberto durante os momentos em que a multidão de turistas se afastou, tem um charme discreto, com a sua fonte cercada por jacarandás. Em vez de apressar-se a apanhar o elevador de Santa Justa, pode subir os becos do Chiado, antes de chegar ao Largo do Carmo, e saborear a atmosfera pacífica que emana deste lugar. Um pequeno quadrado para descobrir na primavera, no meio das flores O Largo do Carmo é particularmente espetacular entre meados de Maio e início de Junho, quando os jacarandás, também chamados de flamboyante azul, florescem. Essas árvores originárias da América do Sul, e especialmente do Brasil, são cobertas de cachos de flores de um azul violeta delicado. Estas são as mesmas árvores que adornam os jardins de Mamounia em Marráquexe. No meio, uma fonte graciosa, trono da praça, também conhecida como Chafariz do Carmo. Esta é a única fonte de nicho em Lisboa: quatro pilares encontram-se acima da bacia, ligados por quatro arcos encimados por golfinhos. Construído em 1771, foi projetado por Reinaldo Manuel dos Santos, num estilo que mistura clássico e barroco. No número 18, Fernando Pessoa morou, de 1908 a 1912, numa pequena sala alugada. O Elevador de Santa Justa não é uma obrigação... A maioria dos guias de viagem tem grande cuidado para recomendar o uso do elevador de Santa Justa. Este "elevador" é um dos quatro que Lisboa tem. Na cidade das sete colinas, seria necessário subir, num momento ou outro ... Os famosos elevadores, símbolos da cidade e apreciados pelos turistas, resolveram em parte o problema, proporcionando meios de ascensão rápida e fácil dos lugares na cidade onde a elevação é um pouco íngrime. A particularidade do elevador de Santa Justa é de ser um elevador real, enquanto os outros três, os ascensores da Lavra, Glória e Bica, são funiculares que costumavam funcionar com energia hidráulica e hoje com eletricidade. Todos foram desenhados pelo mesmo engenheiro, Raoul Mesnier du Ponsard. Ao contrário da lenda, Mesnier du Ponsard não era o aluno, nem mesmo o admirador de Gustave Eiffel, com quem não tinha ligação, embora seja verdade que muitos vêem semelhanças entre o elevador de Santa Justa e a Torre Eiffel. O Elevador de Santa Justa foi construído em 1902, num elegante estilo neogótico do final do século, e liga a Rua de Santa Justa ao Largo do Carmo. Na Rua de Santa Justa, a sua silhueta esbelta forma um contraste surpreendente com a rua, que parece de repente estreitar, e os edifícios que o elevador domina do topo de seus 45 metros. No topo, uma passarela metálica ornamentada liga a cabine do elevador ao Largo do Carmo; também pode subir ao miradouro, que dá uma magnífica vista panorâmica. No entanto, na maioria das vezes, aguarda-o uma longa espera: nos períodos de pico, é necessário fazer fila entre 20 minutos e uma hora para apanhar o elevador, muito popular entre os turistas. A mesma caminhada leva apenas alguns minutos - se não se demorar no caminho em frente das montras das muitas lojas do Chiado... Então, terá a possibilidade de observar, a partir da ponte ou da vigia, a vista deslumbrante das colinas de Lisboa, o Tejo, os telhados da cidade e o Convento dos Carmelitas. No entanto, não é necessário apanhar o elevador para aproveitar todas essas belezas. Elevador de Santa Justa - Entrada incluída no Cartão de Lisboa ou CARRIS / METRO Pass 24h, ou € 5,15 para o elevador, acrescido de € 1,50 para o miradouro (acesso à ponte é livre). Convento do Carmo e o Museu Arqueológico do Carmo A praça Largo do Carmo tem o nome do antigo Convento do Carmo, fundado em 1389 e em grande parte destruído pelo terramoto de 1755. O edifício nunca foi (propositalmente) restaurado. O único edifício em Lisboa que dá uma idéia da extensão dos danos. Isso dá, mesmo sob o intenso céu azul e o sol de verão quente, uma aura de melancolia. Sic transit gloria mundi... As imponentes paredes exteriores da antiga igreja permanecem eretos e brancas como penhascos; mas quando entra, surpreende-se ao ver os arcos majestosos que se elevam no vazio; o terremoto destruiu completamente o telhado. Assim, entramos numa igreja aberta com um charme muito especial. Apenas uma pequena parte do interior sobreviveu. Num dos lados da igreja, encontrou refúgio um pequeno museu arqueológico, com simpatia eclética. Há restos dispersos de todos os períodos da história portuguesa, tumbas góticas (incluindo a de Dinis I de Portugal, que apresenta cenas de javali de caça), fontes, estelas e janelas de todo o país. No sarcófago gótico, as cenas esculpidas mostram um luxo de detalhes: o de Don Fernando I, apresenta num dos seus lados uma paisagem bucólica de bosques, com um primeiro plano de uma escada em que um pequeno indivíduo se sentou para ler, à saída de uma igreja. A coleção também inclui artefatos pré-históricos descobertos durante uma pesquisa no sítio de Azambuja, na região do Alentejo, datando de 3500 a 1500 AC. Finalmente, para aqueles que sonham com Indiana Jones, duas pensativas mumia Peruana do século XVI, olham os visitantes, agachadas nas suas janelas. Convento do Carmo e o Museu Arqueológico - Largo do Carmo, 1200-092 Lisboa - entrada 4 € - de segunda a sábado, das 10h às 18h no inverno (de Outubro a Maio) e das 10h às 19h no verão (Junho a Setembro) - encerrado domingos, 25 de Dezembro, dia de Ano Novo e 1º de Maio. A Igreja de Saint-Roque e o seu museu - Igreja de São Roque A austera fachada branca da Igreja de São Roque esconde bem o seu jogo. Sob um exterior muito severo e, ao mesmo tempo, aborrecido, contém um interior muito suntuoso. As capelas laterais adjacentes à nave principal são, cada uma à sua maneira, uma jóia da arte barroca. O mais impressionante, e com razão, é a capela de São João Batista, no estilo rococó. É uma devassidão de ouro, prata, mármore e pedras preciosas. As cenas marcantes do Apocalipse são recriadas em mosaicos: algumas das peças que compõem essas pinturas não medem mais de 3mm. Encomendada pelo rei João V, o Magnânimo, a capela foi criada em Roma por dois artistas italianos, depois abençoados pelo próprio Papa, antes de ser desmantelada peça por peça e transportada de barco para Lisboa. A capela é separada da igreja por uma balaustrada de mármore verde; no chão, um mosaico de pedras finas representa a esfera armilar, símbolo dos reis de Portugal. Lapis lazuli em colunas parecem apoiar um cofre hexagonal decorado com cabeças de putto. O resto da igreja, "mais sóbrio" (se podemos falar de sobriedade para a arte barroca), é lindo. O tecto encanta os olhos, os azulejos, as abóbadas das capelas, as colunas torcidas decoradas com folhas de videira, dão toda uma serenidade arrogante. A casa, ao lado da igreja, é um pequeno museu de arte religiosa, que também abriga o tesouro da capela de São João Batista. Esta parte do museu era anteriormente o lar dos irmãos jesuítas que fundaram a igreja. Não se esqueça de passar momentos apaixonantes no claustro, decorado com um jardim paisagístico que reúne quatro espécies de bambu em torno de um espelho de água retangular. Igreja de São Roque e o Museu de São Roque - Largo Trindade Coelho, 1200-470 Lisboa - Baixa-Chiado Metro - Entrada gratuita na igreja; museu 2,50 € - Museu aberto das 10h às 18h (19h no verão) de terça a domingo e das 14h às 18h à segunda-feira - encerrado nos dias 1º de Janeiro, domingo de Páscoa, 1º de Maio e 25 de Dezembro.

Ler mais
Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico

Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico