Gourmet


Irá encontrar nesta página todos os artigos do blog HomeTown da secção Gourmet

Gourmet

Onde e como provar bons vinhos portugueses em Lisboa

1 ano atrás - Valérie D.

Não há apenas Bordeaux, Borgonha e Côtes du Rhône na vida! Os enófilos sabem disso, Portugal é um excelente país de vinho. A pouco conhecida vinha portuguesa tem cerca de trinta regiões de origem. Várias produções de vinho, das quais se podem descobrir os taninos nas mesas dos famosos bares ou restaurantes de Lisboa, ou porque não durante uma excursão organizada dedicada às melhores bebidas da região. Assim, delicadamente estimulado pelos aromas locais, talvez você não saia de Lisboa sem uma ou duas boas garrafas encontradas entre as adegas e lojas especializadas da capital portuguesa. Saúde! Uma rica vinha portuguesa Crus portugueses, conhecemos especialmente o Porto, Vinho Verde, ou Madeira. A vinha lusitana, no entanto, tem uma grande variedade de tintos, brancos ou espumantes que podem acompanhar todos os tipos de pratos e várias ocasiões. Lisboa tem pelo menos nove denominações de origem: Bucelas, Colares e Carcavelos a sul, Alenquer, Arruda, Lourinhã, Óbidos e Torres Vedras no centro, e Encostas d'Aire a norte. O branco Bucelas, é por exemplo excelente para acompanhar as suas sardinhas locais. Visitando Sintra, você pode saborear os tintos de Colares que é vinificado não muito longe. Os vinhos da Estremadura estão entre os melhores brancos do país. Mais a sul da cidade, é produzido o Moscatel d'Arràbida. Doce, dourado, é ideal para um aperitivo ou sobremesa, quando tem 20 ou 30 anos. Carnes grelhadas serão melhor combinadas com um bom tinto do Dão. Para mesas com sabores mais fortes, favoreceremos os vinhos do Alentejo, Barraida ou Douro, uma pequena região do Norte também conhecida pelo famoso Porto. Falando de Porto, basta saber que se for apreciado pelos franceses na altura do aperitivo, ou com um bom melão, os ingleses preferem-no com o seu queijo, enquanto os portugueses bebem-no da sua parte no final da refeição. A outra estrela dos néctares portugueses, claro, é o Vinho Verde. Ele tem o seu nome de "vinho verde" da sua primavera fresca e colheita precoce (ao contrário do vinho maduro), não se engane: este vinho espumante pode ser tinto como branco. Finalmente, não vamos esquecer os vinhos do Algarve, que florescem ao sol da região vinícola de Portimão. Originária do Algarve, Amarguinha é um licor de amêndoa amargo muito doce. A diversidade das safras portuguesas não impede descobrir as alegrias dos famosos licores do país. Tipicamente de Lisboa, a Ginjinha ou Ginja é de facto um "imperdível" da capital, cabe-lhe ver se prefere este ‘sumo’ de cereja com ou sem a cereja no fundo do copo. Finalmente, em clima quente, você pode sempre mergulhar os seus lábios no fresco de uma cerveja nacional de sua escolha: Sagres, Super Bock, Crystal ou Imperial. Categorias de vinhos portugueses Note-se que os vinhos portugueses estão sujeitos a uma classificação que é dividida em 3 categorias: DOC (Denominação de origem controlada), IPR (Indicação de procedência regulada ), IGP (Vinhos Regionais, sinónimos de "Vins de Pays"), e finalmente os Vinhos de Mesa ou "Vinhos de Mesa". As categorias DOC e IPR estão em conformidade com a legislação européia Q.W.P.S.R. Vinhos de qualidade produzidos em regiões determinadas. A denominação do DOC é o equivalente do AOC francês (Appellation d'Origine Contrôlée). Estes vinhos de alto sabor e qualidades aromáticas, estão ligados aos solos e cumprem os mais altos padrões (castas, características do solo, teor alcoólico, etc.). A categoria DOC conta todos os anos novos eleitos, entre os quais se encontram o Porto, a Barraida, o Pico ou Madeira entre outras garrafas famosas. Os vinhos classificados como IPR (que podem ser traduzidos como "Indicação de procedência regulada") aguardam sua designação DOC, e observados a esse respeito por cinco anos para obtê-lo. Por assim dizer, estes IPRs são os candidatos de elenco para "Nova Estrela" do vinho Português. Os "Vinhos Regionais", de boa qualidade, cumprir a condição de determinada origem regional, mas não cumprir todas as regras impostas pelo nome DOC. O Algarve, Alentejano, Estremadura, fazem parte disso. Os vinhos de mesa portugueses podem ter boas surpresas, mas a maioria não possui a mesma qualidade dos seus vizinhos sob denominações controladas. Bons locais para desfrutar vinho em Lisboa Agora que sabemos tudo sobre o património vitivinícola de Portugal, tudo o que resta é encontrar bons locais para desfrutar destes bons vinhos em Lisboa. A capital não tem escassez de lugares dedicados aos prazeres da enologia, e os amantes de bons vinhos encontrarão uma grande variedade de bares, restaurantes com bons empregados de vinho ou belas adegas para visitar. Nós selecionamos quatro lugares para os amantes de vinho descobrirem o que há de melhor em Lisboa. A Old Pharmacy, por exemplo, é um bar de vinhos obrigatório localizado no Bairro Alto. O serviço atencioso dá as boas-vindas a um grande público na sua antiga decoração de farmácia, para fornecer o seu melhor conselho "terapêutico" ... Mesmo no centro da cidade, o restaurante Sommelier Lisboa é, como o próprio nome indica, uma mesa gourmet de eleição, ideal para acompanhar a sua refeição com as melhores garrafas. A sua lista de vinhos inclui mais de 80 seleções! Mas um “must” para dedicar um momento inteiramente à degustação de vinhos de todo o país, é a sala abobadada da ViniPortugal, entronizada na Praça da Comércio. Pelo preço de um pacote à sua escolha, pode provar diferentes vinhos a copo e descobrir toda a variedade de territórios e castas de Portugal. Aqui, nós não brindamos apenas, não "bebemos uma bebida" num lugar amigável, nós exploramos. Eventos de vinho e degustações temáticas também são oferecidos entre muitas atividades. Então, não desfaleça, na esquina de um beco pavimentado, mas sim num balcão de uma típica ginjinha. Lisboa é tem muitos, e é fácil identificá-los especialmente no Rossio, com pedras de cerejeira jogadas na calçada. O local histórico continua a ser A Ginjinha da Espinheira, onde pelo modesto montante de 1,10 €, o patrão manda-lhe o delicioso licor de cereja tão amado por Lisboa (e nada mais, estamos lá apenas para isso!). A Old Pharmacy: 83, R. do Diario de Notícias 73 – Lisboa Horário: diariamente das 17h30 às 00h00 Sommelier Lisboa: Rua do Telhal, 57 – Lisboa Horário de funcionamento: todos os dias das 18:30 às 00:45 ViniPortugal Sala Ogival: Terreiro do Paço, Ala Poente – Lisboa Horário de funcionamento: das 11h às 18h30 A Ginjinha Espinheira: Largo de São Domingos, 8 – Lisboa Horário: diariamente das 9h às 22h Descubra a cultura do vinho Português... e leve de volta para casa alguns aromas Você tornou-se num especialista em vinhos portugueses, provou-os e agora sabe quais são os seus favoritos. Impossível ir para casa sem trazer pelo menos uma boa garrafa, e porque não, a lembrança de um verdadeiro passeio na rota do vinho na região! Tudo que precisa fazer é sair do eléctrico nº28 perto da Sé. Atrás da nova loja da Adega GN, encontramos a famosa Garrafeira Nacional. A loja de vinhos oferece uma gama completa de vinhos portugueses, desde o melhor vinho de mesa DOC, do vinho mais verde às castas mais antigas. Para ir mais longe na exploração enológica da região, por que não tentar um dia organizado nas estradas do vinho. Get your guide oferece, por exemplo, um motorista particular que vai guiá-lo um dia inteiro entre degustações nas mais belas adegas da região, visitas nas vinhas mais prestigiados e paragens em aldeias charmosas. Uma experiência sensorial completa que lhe permite desfrutar plenamente do caráter dos vinhos locais ... com moderação, mas também prazer! Garrafeira Nacional -  Rua da Conceição, 20/26 - Lisboa Horário: todos os dias das 10h às 21h

Ler mais
Onde e como provar bons vinhos portugueses em Lisboa

Onde e como provar bons vinhos portugueses em Lisboa

Gourmet

Lisboa com toda a doçura; Doces e salgadinhos de Lisboa

2 anos atrás - Julie D.

Pasteis de nata, pastéis de Belém: estas tortas cheias de creme de ovos tornaram-se famosas em todo o mundo. Após a sua evocação, imaginamos um Portugal cheio de doçura e de bom gosto, envolvido em baunilha e canela, não nos equivocaríamos ... Doce de ovos, uma devastação de creme de pastelaria Pastéis são a primeira sobremesa portuguesa que vem à mente, mas, infelizmente, muitas vezes é a única. No entanto, um visitante que chega a Lisboa pode ficar perplexo com a profusão de bolos e doces que lhe são oferecidos, dispostos em pirâmides atraentes atrás das vitrines de pastelarias com estética Art Nouveau. O que não surpreende é a arte que os portugueses e os lisboetas usam para acomodar o creme de pastelaria - todos os molhos, por assim dizer. Quantos bolos diferentes você pode fazer com "doce de ovos", este delicioso creme de ovo? Um número infinito, parece. Mas porquê o creme de ovo? Quantas gotas de gemas de ovo são usadas todos os dias pelos chefs de pastelaria portugueses? A tradição é que foram os monges e as freiras que fizeram todo o país descobrir os "doces conventuais", os "pastéis do convento". Os mosteiros tiveram o problema oposto: o que fazer com tantas gemas de ovo, uma vez que as claras foram usadas para branquear o vinho em massa e fazer as hóstias? A resposta foi encontrada graças à abundância de açúcar que veio das colónias portuguesas. Lisboa, um paraíso para os dentes doces Uma vez que você tentou os famosos pasteis, é hora de recorrer a outras especialidades, como as bolas de Berlim, rosquinhas cheias, você adivinhou, com creme de ovo, variante portuguesa do Berliner Pfannkuchen; ou a torta de Azeitão, que exige não menos de 10 ovos, 200 gramas de açúcar e um pouco de farinha para a forma. E, em seguida, preenchê-los de creme de ovo. Os bolos portugueses não têm medo de prometer montagens e maravilhas. Assim, o "toucinho de ceu" com o nome evocativo oferece-lhe as chaves para o paraíso ... mas não só. "Toucinho" significa bacon. Delícias arejadas de um lado, calorias no outro, este "bacon do céu" era tradicionalmente feito com banha de porco, substituído hoje pela manteiga. Além da manteiga em quantidade considerável e açúcar e pó de amêndoa, quais os outros ingredientes do toucinho de céu? Nunca i´ra adinvinhar: gemas de ovo. No entanto, ao contrário do que se poderia pensar, a pastelaria portuguesa não é apenas açúcar e gemas. Entre outras iguarias como a salame de chocolate ou a queijada de Sintra, deve-se descobrir "sonhos", esses doces donuts espalhados com canela e açúcar. O chef estrelado, George Mendes, dá-nos a sua própria receita. Onde desfrutar de pastelaria em Lisboa? Se se pode tentar fazer esses deliciosos bolos em casa (desde que, claro, tenha um lote de gemas), também pode descobrir com prazer as famosas pastelarias de Lisboa. Aqui estão quatro entre as muito comemoradas, mas pode aproveitar a descoberta das suas próprias moradas encontrados em pequenos becos: as "pastelarias" abundam, com palavras mágicas, "fabrica proprio", nos toldos, que testemunham que os doces são feitas no próprio local. Confeitaria Nacional A Confeitaria Nacional é a mais antiga das padarias. Fundada em 1829, a casa ainda é administrada pela mesma família, a sexta geração de descendentes do fundador Balthazar Castanheiro. A todo senhor, toda honra: a casa é a fornecedora oficial do palácio presidencial, depois de ter sido a da família real. O lugar, vítima de sua fama, é muito popular entre os turistas. Mas uma peregrinação é imponente neste templo de pastelaria. Pode-se admirar os azulejos e saborear um café ou uma cerveja, quando está menos cheia, ou seja, durante a abertura ou final da tarde. Praça da Figueira, 18, 1100-241 Lisbon - +351 21 342 4470 - Todos os dias das 8h às 10h, exceto as segundas-feiras, das 8h às 20h e aos domingos das 9h às 10h. Pastelaria Versailles Atrás da suntuosa fachada, o interior do Pastelaria Versailles tem pouca inveja no Salão dos Espelhos no palácio do mesmo nome: as delicadas vigas brancas das molduras do teto destacam-se contra um fundo de pérola cinza, os candelabros brilham e os empregados brilham com as suas vestimentas. Na longa sala de serviço, a vitrine de pastelaria traz água na boca. Também há chocolates quentes, "à la française" ou "à la espagnole", bem como chá preto de Moçambique. A gelataria da mesma casa abriu recentemente na mesma rua, a alguns números da loja principal (nº 21). Há também putra loja em Belém. Avenida da República, nº 15 - A, 1050-185 Lisbon - +351 21 354 6340 – todos os dias das 7:30 às 23:45 pm. Versailles Belém - Rua da Junqueira 528 / Calçada da Ajuda 8, 1300-314 Lisbon - +351 21 822 8090 – todos os dias das 7:30 às 23:00. Pastelaria Suiça Separados simplesmente pela Rua da Betesga, os dois rivais Pastelaria Suiça e Confeitaria Nacional olham-se como um cão de raiva, mas para os doceiros, não há necessidade de escolher: você poderá ter ambos! Sob um exterior menos imponente do que as suas irmãs, a Pastelaria Suiça exala refinamento. Aqui, também, as toalhas grossas e brancas, recentemente preparadas, são de rigor, e a longa vitrine onde as sobremesas são empilhadas é igualmente impressionante. Pastelaria Suiça - Praça Dom Pedro IV, 96 to 104, 1100-202, Lisbon - +351 21 321 4090 – todos os dias das 7:00 às 21:00. Pastelaria Orion Menos prodigais, mas não menos deliciosos, a Pastelaria Orion tem mais a aparência de um confortável café de bairro do que uma ‘sala de chá’. Esta pastelaria está um pouco longe das inundações turísticas, o atendimento é mais local. Além disso, pode rapidamente tornar-se um regular: se não tem o pedigree e a antiguidade dos outros pastéis mais famosos (foi fundado, afinal, "apenas" 1945), Pastelaria Orion é igualmente ciumenta quando se trata da qualidade de seus produtos e suas receitas. Pastelaria Orion - Calçada do Combro 1, 1200-012 Lisboa, Portugal - +351 21 342 0485 – todos os dias das 7:00 às 20:00.

Ler mais
Lisboa com toda a doçura; Doces e salgadinhos de Lisboa

Lisboa com toda a doçura; Doces e salgadinhos de Lisboa

Gourmet

Os restaurantes mais trendy de Lisboa

3 anos atrás - Pauline P.

Porque um cenário agradável é tão importante quanto a qualidade da carne durante uma noite num restaurante, descubra a nossa seleção dos mais modernos restaurantes em Lisboa, para um prazer combinado dos seus olhos e do seu paladar! 100 Maneiras Um cenário requintado, todo vestido de branco, um conceito único com um menu de "degustação" imposto, que liga pratos e descobertas de sabores diferentes ... O talento e inspiração do Chef Ljubomir Stanisic atrai toda Lisboa para a sua mesa, e todos eles continuam a pedir mais! Rua do Teixeira, 35, Encarnação Kais Kais é um armazém do século 19 restaurado num gigantesco restaurante de estilo industrial, onde móveis de madeira e estruturas metálicas se misturam elegantemente, e onde as oliveiras crescem contra as paredes de tijolo. Estamos tão impressionados com o espaço como pelo requinte dos pratos. Rua Cintura do Porto de Lisboa, Armazém 1 (Cais da Viscondessa) Bica do sapato A vista sobre o Tejo é de tirar o fôlego, e o quadro de design não é deixado negligenciado. Uma vez propriedade do ator John Malkovitch, o restaurante Bica do Sapato é um must-see em Lisboa, com cozinha original e de alta qualidade. Uma aposta segura para gourmets e amantes do design. Avenida Infante D. Henrique, Armazém B Largo É o designer Miguel Câncio Martins, a quem devemos o Buda Bar em Paris, e que converteu este antigo claustro numa mesa moderna. Eleito em 2013 entre as 10 melhores mesas da capital pela revista Time Out. Aquários cheios de águas-vivas fosforescentes e grandes bocas ao longo da parede, em contraste com as abóbadas de pedra do edifício. O menu é mais clássico do que a decoração, mas não obstante agradável. Rua Serpa Pinto, 10A – 1200-445 Chiado Eleven Num edifício gigantesco com vista para o Parque Eduardo VII, o Eleven, anteriormente o único restaurante com estrelas Michelin em Lisboa, oferece um panorama único e um dos pratos mais criativos. O Chef Joachim Koerper combina produtos frescos e de alta qualidade para uma cozinha mediterrânica muito saborosa. No andar de cima, o bistro Twelve oferece um menu mais acessível onde tapas e risotos estão no centro das atenções. Rua Marquês da Fronteira Jardim Amália Rodrigues Pharmacia Localizado em frente ao Mirador de Santa Catarina, o restaurante Pharmacia, situado na encantadora mansão do Museu da Farmácia, oferece o mundo da farmácia em detalhe. O cenário é perfeito, a decoração muito bonita, o serviço atencioso e os pratos surpreendentes. Não hesite em deixar-se espantado com o menu "surpresa", cujos múltiplos aperitivos irão surpreender o seu paladar. Rua Marechal Saldanha 1 Tabik Eleito como a estrela em ascensão da cena culinária portuguesa em 2015 pelo Condé Nast Traveler, o Chef Manuel Lino já percorreu um longo caminho e ancorou o seu restaurante Tabik entre as mesas mais populares de Lisboa. Ele reinterpreta os clássicos da cozinha portuguesa com técnicas mais contemporâneas e associações surpreendentes. Av. da Liberdade 41

Ler mais
Os restaurantes mais trendy de Lisboa

Os restaurantes mais trendy de Lisboa

Gourmet

Os Pastéis de Nata, delícias de Lisboa

3 anos atrás - Pauline P.

É parecido com um pequeno ‘flan’, muitas vezes comido quente e polvilhado com canela, o pastel de nata tornou-se um emblema da gastronomia de Lisboa. Descubra a origem deste histórico pastel, popular entre os moradores e turistas, e uma receita fácil de levar um pouco de Lisboa para casa! A História Pastel de Nata foi criado no início do século XIX pelos monges do Mosteiro dos Jerónimos (Mosteiro dos Jerónimos), localizado na cidade de Belém, que entretanto se tornou um concelho de Lisboa. Quando a revolução liberal rebentou em 1820, esta fez com que todos os mosteiros fechassem e todos os monges fossem expulsos. Para sobreviver, um deles decidiu produzir pequenas tortinhas que antes eram feitas em conventos, e vendê-los numa pequena loja ao lado do mosteiro. Belém era então um destino turístico em si mesmo; muitos visitantes viriam a contemplar a Torre de Belém (Torre de Belém) e o Mosteiro. O sucesso destas pequenas tartes foi imediato, e desde 1837, apenas os originais Fábrica dos Pastéis de Belém produzem e vendem a receita original destes bolos renomeados Pastéis de Belém. Agora podemos encontrá-los por Portugal inteiro, mas também pelo mundo inteiro! O Brasil que evidentemente adotou o pastel, mas mais surpreendente, todo o continente asiático: introduzido através de Macau no momento da presença colonial Português, o pastel de nata seduziu a China, em seguida, Camboja, Malásia, Singapura, Taiwan e Hong Kong. Este sucesso global tornou o pastel de nata numa das 50 melhores comidas do mundo eleitos pelo The Guardian! A receita Depois de uma estadia gourmet em Lisboa, gostaria de experimentar um pouco destes sabores portugueses em casa? Siga esta receita rápida e fácil! 2 massa folhada 4 gemas de ovo 2 ovos inteiros 500 ml leite 20g de farinha 250 g açúcar 1 casca de limão orgânico  com cerca 1 cm. Role a massa folhada sobre si mesmo para fazer uma pequena salsicha e corte fatias de cerca de 1 cm de espessura. Coloque cada fatia numa pequena bandeja para tarte (lisa) e alise-as com o polegar para que a massa cubra a panela. Dilui-se 20 g de farinha em 500 ml de leite. Bata. Adicione as raspas de limão. Ferva, de seguida, o leite mexendo regularmente. Na primeira fervura, retire do fogo e guarde. Misture os ovos e gemas de ovos e guarde. Para a calda: misture 250g de açúcar e um pouco de água (açúcar deve estar húmido). Derreta o açúcar lentamente. Cozinhe a calda até que ela atinja uma temperatura de 107/110 ° C. Remova-a do lume e adicione a mistura de leite / farinha, mexendo muito e vigorosamente. Retire a casca de limão. Adicione os ovos e continue a mexer. Coloque as panelas cheias de massa de pão em folhas de papel vegetal. Preencha 3/4 com creme. Coza no forno pré-aquecido (250-300 ° C) durante 7 a 10 minutos. Pronto para provar?

Ler mais
Os Pastéis de Nata, delícias de Lisboa

Os Pastéis de Nata, delícias de Lisboa