Blog


HomeTown Lisboa blog offers you a selection of articles devoted to the destination Lisboa, its news, culture, activities and of course, its people

Cultura e Arte

Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

2 anos atrás - Julie D.

Para os amantes de romances, há poucos prazeres mais agradáveis do que descobrir um lugar real nas pegadas de um renomado escritor. Felizmente para os leitores inveterados, Lisboa não é apenas uma cidade de cultura e história, mas também a cidade da alma de vários grandes escritores. Se já conhece os romances de José Saramago, Prémio Nobel de Literatura, vai encontrá-los com prazer, como velhos amigos. Se ainda não teve a oportunidade de descobrir a sua prosa, uma estadia em Lisboa é o momento perfeito! Prepare a sua próxima estadia em Lisboa, mergulhando no universo profundamente humano dos romances de José Saramago. Em Lisboa, pode visitar a Fundação José Saramago, ou seguir a rota turística Memorial do Convento que o levará ao Palácio Nacional de Mafra, seguindo os passos de Baltasar e Blimunda, heróis do romance que leva os seus nomes. Lisboa vista com o coração: José Saramago, quem é você? José Saramago nasceu em 1922 numa pequena aldeia a norte de Lisboa, na Azinhaga, numa família de camponeses pobres. A sua família mudou-se para Lisboa dois anos depois do seu nascimento. Ele passou a maior parte da sua vida em Lisboa, até ao seu exílio em Lanzarote em 1992, após uma controvérsia em que se opunha ao governo português na época. Lisboa pura, Saramago amava esta cidade que conhecia intimamente. Mas ele sempre permaneceu ligado à Azinhaga, a aldeia da sua infância e a aldeia dos seus avós. No seu discurso pelo Prémio Nobel de Literatura em 1998, conta como os seus avós deram-lhe o gosto da imaginação, o amor à natureza e uma inesgotável curiosidade pelo folclore português. Num de seus livros mais recentes, The Notebook, que inclui muitos textos que o escritor publicou pela primeira vez no seu blog, ele escreveu uma carta de amor real em Lisboa: "Eu estaria interessado, não apenas em saber, mas também em ver, no verdadeiro sentido da palavra, como Lisboa mudou desde aqueles dias. Se o cinema existisse então, se os antigos cronistas tivessem sido cinegrafistas, se as mil e uma mudanças que Lisboa conheceu ao longo dos séculos tivessem sido registradas, então poderíamos ter visto esta Lisboa de oito séculos crescer e mover-se como um ser vivo, como aquelas flores que a televisão nos mostra, que abrem em poucos segundos, do botão ainda fechado ao esplendor final de formas e cores. Eu acho que teria gostado mais desta que de Lisboa.” Quando era criança, ele conhece a pobreza: em todas primaveras a sua mãe levava as capas da família para a casa de penhores, com o objetivo de recuperar algum dinheiro, e esperar poder comprá-las no início do inverno ... Por causa dessas dificuldades, e embora ele fosse um excelente aluno, os seus pais não podiam matriculá-lo na faculdade privada. Ele fez os estudos técnicos antes de trabalhar como mecânico. Saramago já era um leitor ávido, embora seja pobre demais para ter os seus próprios livros. Aos 19 anos e com um empréstimo de um amigo, ele comprou os seus primeiros livros. Saramago também se tornou tradutor e jornalista. Escritor prolífico, publicou numerosos artigos, coleções de poesia e vários romances, antes de finalmente se tornar famoso aos 60 anos, com a publicação de seu romance Memorial do Convento. Morreu em 2010 e as suas cinzas estão enterradas à sombra de uma oliveira centenária, em frente à Casa dos Bicos, que abriga a Fundação José Saramago. A Casa dos Bicos – Fundação José Saramago A muito bonita Casa dos Bicos, é um exemplo muito interessante da arquitectura portuguesa do século XVI. Construído em 1532 para os Bras de Albuquerque, filho do vice-rei das Índias Portuguesas, é decorado na sua fachada com pedras pontiagudas. Bras de Albuquerque, que supervisionou a sua construção, provavelmente foi inspirado por exemplos do Renascimento italiano, como o Palazzo dei Diamanti em Ferrara.. A Casa dos Bicos sofreu enormes danos durante o terramoto de 1755. Os seus dois andares superiores foram reconstruídos apenas em 1983, respeitando a aparência original da casa, com as suas janelas de duas pontas. Desde 2012, a Casa recebe a Fundação José Saramago, com uma exposição permanente dedicada à vida e obra do vencedor do Prmorreram nadando do Brasil, colôa app´eemio Nobel de Literatura. A exposição reúne objetos pessoais e manuscritos do autor e recria o seu local de trabalho. Casa dos Bicos - Fundação José Saramago - Rua dos Bacalhoeiros, 10, 1100-135 Lisboa - Horário: de segunda a sábado 10h às 18h Nos passos de Saramago, de Lisboa a Mafra: la Rota Memorial Do Convento Recentemente inaugurada, a nova rota cultural "Memorial do Convento" oferece a oportunidade para uma excursão agradável, nos sites reais que inspiraram José Saramago para o seu romance. O percurso tem início em Lisboa, na Praça da Figueira, passa pela Casa do Bicos, continua até Sacavém, onde os visitantes descobrirão um centro de informação sobre o percurso cultural para a biblioteca municipal Ary dos Santos. Chegamos então a Loures, para descobrir vários locais da cidade. O percurso termina em Mafra e, claro, inclui o Palácio Nacional, que serve de pano de fundo ao romance. Esse passeio cultural, que acaba de ser inaugurado, incluirá um site e uma app.Baltasar e Blimunda é o romance que serve como guia para essa jornada. Transporta-nos para o século XVIII, durante a construção do Palácio de Mafra. O romance fala dos amores de Baltasar, um trabalhador de uma mão envolvido na construção do palácio, e Blimunda, uma jovem mulher com um dom singular de clarividência. Eles participam do desenvolvimento de uma máquina voadora mágica, mas a Inquisição não vê isso tudo com bom olho... Palácio Nacional de Mafra A via literária termina no Palácio Nacional de Mafra, a 40km de Lisboa. Para celebrar o nascimento de um herdeiro, João V de Portugal honrou a sua promessa de construir um mosteiro franciscano. Originalmente, era para ser um mosteiro simples e austero para acomodar 13 monges franciscanos que faziam voto de pobreza. Mas dois anos após o início do projeto, João V muda de idéias: os cofres da Coroa estão cheios graças ao ouro vindo do Brasil, colónia portuguesa, e João V decide construir, não um humilde mosteiro, mas um sumptuoso palácio. que servirá como uma segunda casa e alojamento de caça para a família real. Quatro hectares, 1.200 quartos, 156 escadas e 29 pátios, o mínimo que podemos dizer é que João V não poupou nada! O palácio, construído inteiramente de mármore e pedra da região, é ricamente decorado com esculturas e pinturas encomendadas pelos maiores mestres italianos da época. Hoje, apreciamos a vasta biblioteca de 36.000 volumes, os 6 órgãos da basílica e a sumptuosa decoração deste palácio, uma obra-prima do barroco, que bem poderia merecer o nome de Versailles portuguesa ... o que teriam dito os heróis de Saramago? Estes morreram antes do palácio ter terminado!

Ler mais
Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

Descubra Lisboa nas pegadas de José Saramago

Cultura e Arte

Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

2 anos atrás - Julie D.

A cidade das Sete Colinas é famosa pelos seus diferentes bairros. Todas as principais áreas de Lisboa para visitar, têm uma personalidade e um encanto próprio. Ir conhecê-los é descobrir sete (ou mais!) modos de vida muito diferentes na cidade. Sete colinas, sete bairros de Lisboa para visitar ... A capital portuguesa deve, talvez, o seu encanto ao número mágico! De norte a sul e de leste a oeste, siga o guia para apreciar as especificidades dos bairros de Lisboa para visitar. Parque das Nações Este bairro de Lisboa foi renovado e reconstruído em grande parte para a Exposição Mundial de 1998 Lisboa. Uma vez que o antigo terreno industrial foi totalmente refeito, conseguiu acomodar onze milhões de visitantes. Hoje, o Parque das Nações está aberto a todos, e poderá desfrutar dos jardins nas margens do Tejo, ou visitar o Oceanário, que é o maior da Europa. Também foi eleito o melhor Oceanário do mundo em 2017. O aquário contém 5 milhões de litros de água do mar e permite que descubra a fauna e a flora dos oceanos. Mas atenção, não vemos só peixes! As adoráveis lontras e pinguins do mar também estão lá para nos lembrar que mamíferos e pássaros fazem parte dos ecossistemas marinhos. Um programa familiar ideal. Oceanário de Lisboa - Parque das Nações - aberto todos os dias das 10h às 19h no inverno e até às 8h no verão (fechado pela manhã em 25 de dezembro e 1º de janeiro) - ingresso adulta € 16,20, crianças de 4 a 12 e idosos € 10,80. Para os viciados em compras, a antiga entrada principal da Expo foi transformada num centro comercial. O centro comercial Vasco de Gama reúne a maioria das principais marcas internacionais. Centro Comercial Vasco da Gama - Parque das Nações - aberto diariamente das 9h às meia-noite, lojas abertas das 10h às meia-noite. Alfama Alfama é o bairro mais antigo de Lisboa para visitar, até mesmo resistiu ao terremoto de 1755. O seu nome vem do Al-Hamma árabe, o que significa uma fonte termal. Historicamente, era o distrito de pescadores e marinheiros, nas margens do rio Tejo, e ainda mantém a reputação de ser um distrito popular. É um encantador labirinto de ruas medievais, e também abriga o Castelo de São Jorge, primeiro "castelo dos mouros" antes de ser reconquistado pelos cristãos em 1147. Do castelo, há uma vista magnífica sobre o Tejo e a cidade. Para desfrutar de outras vistas panorâmicas dos bairros de Lisboa, deverá ir a um dos muitos miradouros. O Miradouro de Santa Luzia, não muito longe do castelo, tem uma vista deslumbrante. O outro monumento de Alfama é a Sé de Lisboa, simplesmente chamado de "Sé". A sua construção começou no momento da captura do castelo, em 1147, para celebrar a reconquista cristã. É um monumento de pedra cinzenta austero - gótico, que teve muitas vicissitudes. Baixa, ou Baixa Pombalina Continuando ao longo do Tejo, chegamos a um dos bairros mais famosos de Lisboa para visitar: a Baixa, ou seja, a cidade baixa. Construído de acordo com princípios arquitetónicos e urbanos inovadores após o terremoto de 1755, a Baixa é um bairro elegante e arejado com amplas avenidas num piso de calçada, onde as ruas se cruzam em ângulos retos. À direita nas margens do rio Tejo, apreciará a beleza da Praça do Comércio, com os seus belos chapéus formando um padrão geométrico. No meio, a estátua monumental de José I serve como ponto focal e, ao redor da praça, as arcadas são o lar de lojas e cafés. Para apreciar este bairro de Lisboa, é melhor caminhar pelas belas ruas bem alinhadas como a Rua Augusta. Da Praça do Comércio, passa-se por baixo do magnifíco arco da Rua Augusta, que pode ser visitado. Por € 2.50, pode apanhar um elevador e duas escadas para chegar ao topo. Na Rua Augusta encontra-se o MUDE, o Museu do Design e da Moda, que abriga uma fascinante coleção de design do século XX. MUDE - Rua Augusta 24, 1100. E se você for a Lisboa em abril ou setembro, pode ter a oportunidade de descobrir as misteriosas galerias romanas subterrâneas. São apenas abertas alguns dias por ano, só com reserva, então não perca a oportunidade! Galerias Romanas da Rua da Prata - Rua da Prata 77, Lisbon 1100 - 026 O Chiado Continue a Rua Augusta até o Chiado, um dos distritos comerciais mais famosos de Lisboa. Bairro chique, está cheio de lojas, roupas, livros, jóias, mas também museus e cafés. É neste bairro que existe A Brasileira, o café de predileção de Fernando Pessoa, com a sua excelente fachada decorada com um azulejos frescos. Café A Brasileira - 120 Rua Garrett, Lisboa 1200-205 - aberto diariamente das 8h às 2h Para trazer de volta um objeto verdadeiramente português e para descobrir os jovens criadores do país, devemos ir para A Vida Portuguesa, Caverna de Ali-Baba saque já mencionámos numa publicação anterior. O Chiado é uma das mais belas áreas de Lisboa para visitar; nunca parou de descobrir os seus segredos na esquina de um beco ou na esquina de uma pequena praça. Praça de Luís de Camões, por exemplo, com as suas esplêndidas fachadas de pedra branca e o seu pequeno quiosque Art Deco, vale a pena o desvio. Sinaliza a fronteira entre Chiado e Bairro Alto. The Bairro Alto O Bairro Alto, que dorme durante o dia e vive à noite, é o bairro de corujas noturnas. Por mais de 20 anos, é aqui que nos encontramos com amigos para tomar uma bebida e desfrutar das belas noites de verão. Entre os muitos bons locais, recomendamos Portas Largas, com os seus generosos cocktails; os fãs de mojitos vão ao Clube da Esquina; e os audaciosos vão para Arroz Doce para pedir um "Pontapé". Em todos os lugares, ou quase todos, música ao vivo e festas loucas! Portas Largas - R. Da Atalaia 105, 1200-037 Clube Da Esquina – R. Da Barroca 30, 1200-036 Arroz Doce – R. Da Atalaia 119, 1200-383 Belém Agora devemos ir além da ponte de 25 de abril para se encontrar Belém, pátria dos famosos pastéis de Belém. O emblema do bairro é a torre defensiva maciça de Belém, que guarda a entrada do Tejo. Com seus grenéis graciosos, é reconhecido de longe. O Mosteiro dos Jerónimos, com a sua imponente fachada manuelina branca, impressiona com a delicadeza das suas esculturas, particularmente no claustro e na Igreja de Santa Maria. Este imenso e suntuoso conjunto arquitetónico foi financiado graças às grandes viagens de descoberta do Renascimento. Estas viagens são celebradas pelo Monumento das descobertas, inaugurado em 1960. Torre de Belém - Av. Brasília, 1400-038 - aberto das 10h às 17h30 no inverno, até às 18h30 no verão, fechado às segundas-feiras e alguns feriados. Mosteiro dos Jerónimos - Praça do Império 1400-206 - aberto das 10h às 17h30 no inverno, até às 18h30 no verão, fechado às segundas e alguns feriados. Monument of the Discoveries - Av. Brasília, 1400-038 - aberto das 10h às 18h e fechado às segundas-feiras no inverno, aberto todos os dias no verão, até as 19h, fechado em determinados feriados. Alcântara E aqui está o último dos principais bairros de Lisboa, Alcântara, bairro das docas do estuário do Tejo. De Belém, pode andar agradavelmente ao longo do passeio ao longo do rio, até a ponte de 25 de abril. Desde a década de 1990, Alcântara tornou-se o bairro de clubes noturnos: separados dos distritos residenciais por edifícios comerciais, permite que os amantes de festas aproveitem a noite sem perturbar os moradores. Durante o dia, também pode visitar um dos muitos restaurantes nas docas, as "Docas de Santo Amaro". Doc Cod serve o bacalhau tradicional, bem como a carne grelhada sobre um fogo de madeira num ambiente agradável em cima da marina. Um pouco mais à frente, o restaurante Ardemar serve deliciosa cozinha mediterrânea com um típico toque português. Doc Cod - Doca de Santo Amaro, Armazem 16, 1350-353 Ardemar - Docas of Santo Amaro, Armazem 4, 1350-353

Ler mais
Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

Bairros de Lisboa para visitar: sete maneiras de viver Lisboa

Vida Noturna

Onde sair em Lisboa? Os melhores bares em Lisboa

2 anos atrás - Julie D.

Lisboa recebe festas, corujas noturnas e outros pássaros noturnos com os braços abertos. Nos diferentes distritos da cidade, do Bairro Alto às antigas docas, os bares que se seguem não são iguais. Do mais moderno ao mais histórico, aqui estão alguns dos melhores bares de Lisboa, onde é bom ficar até o final da noite.  O melhor bar decorado: Pavilhão Chinês O "Pavilhão Chinês" deve o seu nome à mercearia tradicional que ocupou as instalações até 1986. Este famoso bar foi estabelecido há muito tempo em Lisboa e a sua reputação é insuperável. Passaríamos quase sem parar à frente da sua fachada discreta no nível da rua, mas uma vez que estamos dentro, é mágico: entramos num labirinto de divisões com paredes cobertas com janelas, e nas antigas estantes de mantimento são acumulados mil e um itens heterogêneos. Brinquedos, insígnias militares, propagandas antigas, um mundo inteiro de estranha nostalgia corre atrás das vitrines que uma vez abrigavam pacotes de arroz e açúcar. As molduras do teto Art Deco aumentam a atmosfera íntima e descontraída. Nós instalamo-nos nos bancos confortáveis e deixamo-nos levar pela magia do lugar. Antigos cartazes, bonecos articulados, todos esses objetos são a coleção particular do antigo dono das instalações, Luis Pinto Coelho: colecionador desde sua juventude, ele decidiu usar as suas peças para decorar o bar na sua abertura. O bar regularmente tem noites de fado. Pavilhão Chinês - Rua Dom Pedro V 89, 1250-093 - Tel.: +351 21 342 4729 - aberto todos os dias das 18h às 2h da manhã. O melhor bar clandestino: Red Frog Speakeasy Bar Classificado entre os 50 melhores bares do mundo em 2017, o Red Frog serve excelentes cocktails numa decoração bem desenhada, poltronas estofadas baixas e pequenas mesas redondas iluminadas à luz de velas. A apresentação das bebidas foi cuidadosamente considerada. As pequenas rãs vermelhas são encontradas em alguns frascos, pétalas de flores e frutas secas decoram outras criações. O cartão diz se o cocktail é doce, frutado, amargo. Você será tentado pelo seu "Agente Provocador"? O cocktail com sabores sutis é uma mistura de gin Hendricks, ruibarbo, pimenta rosa e kombucha. Para entrar no bar, você deve tocar - você reconhecerá o local com a sua rã vermelha que supera a campainha, não é conveniente? Red Frog Speakeasy Bar - Rua do Salitre 5A, 1250-198 - Tel.: +351 21 583 1120 - aberto das 18h às 2h, até às 3h das sextas e sábados, fechado aos domingos. O melhor bar que não é propriamente um: Wine with a View Um terraço muito original. Nós subimos as alturas do castelo de São Jorge sob o sol esmagador ... E uma vez no topo, gostaríamos de esfriar a garganta! O Wine with a View está esperando por si: na scooter 1965 Famel, Isabel, Ivo ou Teresa, oferece-lhe vinho português. Você pode desfrutar de um pequeno vinho verde ou uma ginjinha em frente a um dos mais belos panoramas da cidade. Uma maneira única e relaxante de descobrir vinhos autênticos, ideais para terminar a tarde e suavemente a transição para a noite. Wine with a View - São Jorge Castelo e Torre de Belém - Das 11h às 18h no castelo, das 11h às 17h em Belém. O melhor bar cheio de história: A Parodia Num excelente cenário Art Déco, o bar A Parodia é, como o Pavilhão Chinês, uma instituição da noite de Lisboa. Inaugurado em 1974 dois dias após a Revolução dos Cravos, que ditou a queda da ditadura, a Parodia foi nomeada em homenagem a um famoso jornal satírico do início do século XX. Bancos de veludo e mesas em marqueteria, a atmosfera é refinada e vintage. Experimente vinhos portugueses e um lindo menu de sessenta cocktails (frio ou quente, para aqueles que visitam Lisboa no inverno). A dona, Filipa, é a alma do lugar, e está feliz em responder perguntas sobre a história do seu bar e da sua cidade. Parodia - Rua do Patrocinio 26B, 1350-230 - Tel.: +351 21 396 4724 - Aberto diariamente das 21h às 2h – Pode-se fumar no bar. O melhor bar de artes: Arte 8 Bar No Bairro Alto, no coração da noite Lisboa, Arte 8 é uma pequena jóia de um bar. Na parede, as obras de renomados fotógrafos portugueses. Na sala, uma ótima atmosfera, boa música graças a DJs internacionais e cocktails que fazem a sua cabeça girar. À noite, a iluminação inteligente desempenha os efeitos da luz no teto, para tirar proveito do lindo candelabro que dá à sala um toque boêmio. Arte 8 Bar - Travessa da espera 54 Lisboa, 1200-176 - Tel.: +351 935 555 541 - aberto das 8h às 2h às quartas e quintas, das 8h às 3h às sextas e sábados, fechado aos domingos, segundas e terças-feiras. O melhor bar de cerveja: LisBeer Escondido na esquina de um beco no distrito de Alfama, o bar LisBeer vive apenas para uma boa cerveja - e boa música. Oferece, de acordo com os seus proprietários amigáveis, a maior variedade de cervejas do país! Cervejas importadas de diferentes países, mas também microcervejeiras portuguesas (Letra C, Dois Corvos), os fanáticos da cerveja inglesa estão encantados e encaixam-se confortavelmente nas grandes poltronas para saborear o suco favorito. Quanto aos indecisos, a equipe ficará feliz em recomendar uma cerveja de acordo com os seus gostos e curiosidades. LisBeer - Beco do Arco Escuro 1, 1100-016 - aberto das 16h às 1h de terça a quinta-feira, até as 2h da sexta e sábado, fechado domingo e segunda-feira.

Ler mais
Onde sair em Lisboa? Os melhores bares em Lisboa

Onde sair em Lisboa? Os melhores bares em Lisboa

Estilo de Vida

Visite o Estadio da Luz, estádio histórico S.L. Benfica

2 anos atrás - Julie D.

É um cliché comum sobre os portugueses que eles são fervoros defensores do futebol, mas pode ser que, por trás desse cliché, haja uma certa verdade... É por isso que uma visita ao Estadio da Luz é essencial, mesmo que não seja um fervoroso admirador da bola redonda! Na verdade, o estádio do S.L. Benfica em Lisboa é um dos destaques da cultura portuguesa, assim como Museu Nacional dos Azulejos. Não há necessidade de explicar aos amantes do futebol o interesse da visita à "Catedral", outro nome do estádio do clube do Benfica. Quanto aos outros, vários motivos podem convencê-los a aventurarem-se no distrito da Luz. Acima de tudo, visitar o Estadio da Luz é descobrir a lenda de um dos clubes de futebol mais queridos do mundo, durante uma visita bem feita, que também irá convencer os relutantes. Sport Lisboa e Benfica, um dos três grandes clubes portugueses O "Sport Lisboa e Benfica" teria no menos de catorze milhões de fãs em todo o mundo e, em 2015, teria o segundo maior número de membros ativos no mundo (225.000 de acordo com a Fifa, atrás do Bayern de Munique). Em 2006, ocupou o primeiro lugar, de acordo com o livro de recordes do Guinness. Se acreditarmos nos números, é o clube amado de 47% dos portugueses, mais de cinco milhões de pessoas! S.L. Benfica é, com o Sporting Clube de Portugal e o FC Porto, um dos "três grandes" clubes do Campeonato de Primeira Liga Portuguesa: "Os Três Grandes". Estes três gigantes do futebol português têm cada um a sua mascote animal, que também dá o nome aos jogadores: águia para S.L. Benfica, leão do Sporting e dragão do FC Porto. Os três clubes competem em jogos altamente antecipados que reúnem as multidões. Os dois rivais históricos, S.L. Benfica e Sporting, competem todos os anos pelo "Derbi Lisboeta", também conhecido como "Derbi Eterno". Quanto ao jogo Benfica - FC Porto, é chamado "O Clássico". A rivalidade com o Sporting C.P. repousa primeiro no número de jogos vencidos, os dois clubes estão taco a taco no ranking. Mas foi envenenado por golpes baixos em que o SL Benfica nem sempre teve o bom papel, como quando as Águias "levaram" o jogador Eusébio dos Leões do Sporting, depois de recém-chegado da África Oriental Portuguesa (que ainda não era Moçambique)... A "Catedral" do futebol: o Estádio da Luz O "Estádio da Luz", também apelidado de "Catedral", deve tomar o nome da paróquia da Luz, onde está instalada, na freguesia de Benfica. Mas os puristas argumentam sobre a origem do clube: o antigo estádio foi chamado de "Estado do Carnide" até 1958, quando os dispositivos de iluminação foram instalados. É neste momento que eles mudaram o seu nome para se tornar "Estadio da Luz". O atual Estadio da Luz, construído para sediar algumas partidas do Euro 2004, foi inaugurado em outubro de 2003. É o maior estádio de Portugal e um dos maiores da Europa, com capacidade para mais de 64 mil pessoas. Ele recebeu, em grande parte, a final do Euro 2004, 4 de julho (Portugal 0 - 1 Grécia) e final da Liga dos Campeões em maio de 2014 (Real Madrid 4 - 1 Atlético Madrid). O antigo Estádio da Luz, que funcionou de 1954 a 2003, estava no mesmo local antes de ser demolido. Foi inaugurado no dia 1 de novembro, em 1954 num jogo entre os inimigos jurados: S.L. Benfica e FC Porto - que venceu o jogo de 3 a 1. Visite o Estádio da Luz É fácil visitar o Estadio da Luz; um bilhete combinado também dá acesso a o Museu Cosme Damião. As visitas guiadas começam a cada vinte minutos, e duram entre 45 minutos e 1 hora. O estádio está aberto diariamente entre as 10 da manhã e as 5 da tarde, exceto dia 25 de dezembro e 1 de janeiro (o estádio fecha às 14 horas nos dias 24 e 31 de dezembro). Boas notícias, a visita (em português ou em inglês), excitante, também interessará aqueles que realmente não gostam de futebol. Portanto, não fique arrependido de ir com a família ou em grupo. O guia irá apresentar-lhe os vestiários do visitante, os terraços, o relvado, a sala de imprensa, mas também as famosas águias, emblemas do clube. Estas mascotes voam sobre o estádio em dias de jogo, com fitas coloridas nas suas pernas. Uma camara nas costas, as águias dão uma visão impressionante da multidão nas bancadas, antes de pousar no centro do campo para o aplauso dos espectadores. Veja um jogo no Estádio da Luz É claro que é possível assistir a uma partida no Estadio da Luz. Os ingressos podem ser comprados diretamente no site do clube ou em diferentes contadores de bilhetes para a próxima partida. Temos a escolha entre 4 stands e 5 níveis de stands. Para o cronograma de jogos, veja aqui. Estadio da Luz / Estadio do Sport Lisboa e Benfica - Museu Cosme Damião - Av. Eusebio da Silva Ferreira, 1500-313 Lisboa - metro "Linha Azul", station Colégio-Militar / Luz ou Alto-dos-Moinhos - Estádio e museu combinado, € 17,5, estádio apenas € 12,5, museu apenas € 10 O emblema do S.L Benfica e o seu lema O emblema do S.L. Benfica reúne vários símbolos que representam a história do clube e os seus valores. No centro, uma bola de futebol (óbvia!), cruzada com uma fita que traz as iniciais do clube: S.L.B., Sport Lisboa e Benfica. S.L. O Benfica é o resultado da fusão de dois clubes em 1908, o Sport Lisboa (criado em 1904) e Grupo Sport Benfica (criado em 1906). O escudo é um legado do Sport Lisboa, enquanto a roda da bicicleta vem do Grupo Sport Benfica: como muitos clubes desportivos da época, o G.S.B. agrupou vários desportos, incluindo o ciclismo. Acima do escudo vermelho e branco, uma águia, símbolo de nobreza e independência, e o lema do clube, "E Pluribus Unum": "Dentre muitos, um." Este lema foi durante muito tempo o dos Estados Unidos, antes de ser substituído por "In God We Trust". Ele destaca o espírito de equipa: todos deixam o seu ego e individualismo no vestiário (espíritos malignos dirão que não é fácil para alguns jogadores de futebol ...) e tornam-se um com seus colegas de equipa. Um bom brasão que passou pelas décadas, para um clube em mente inalterado desde a sua criação. Hino do S.L. Benfica: «Ser Benfiquista» O hino celebra o "clube lutador", um clube de lutadores, "sem rival / em Portugal", e as suas camisolas de papoila vermelha. A música lembra que "ser um benfiquista" não é apenas ser um fã de futebol, vai muito além disso! Composto por Paulino Gomes Junior, foi cantado pela primeira vez em 16 de abril de 1953 pelo tenor Luís Piçarra durante um "sarau", evento destinado a levantar fundos para construir o Estadio da Luz. Eusébio, a pantera negra Eusebio da Silva Ferreira merece o nome de lenda. Ele começou a dar toques na bola numa equipa B do Sporting, antes de se juntar ao SL Benfica num cenário digno de um filme de espionagem ... O Benfica teria encontrado uma maneira de convencer a mãe de Eusebio, então que ele já estava prometido ao Sporting. Eusebio viajou para Lisboa sob um nome diferente! Jogou sob as cores do SL Benfica desde o início da década de 60 até meados da década de 1970, uma brilhante carreira com uma longa vida: Nesses anos, o SL Benfica foi onze vezes campeão de Portugal, e foi graças a Eusebio que o clube chegou ao 3º lugar dp Campeonato do Mundo de 1966 (melhor marcador, com 9 golos). Ele também recebeu a bola de ouro em 1965. Ele é um dos poucos marcadores a marcar um golo contra o lendário guarda redes do Dynamo, Lev Yachine. Yachine fecha calorosamente a mão daquele que fez com que as redes da sua baliza abanassem, e eles permaneceram amigos para toda a vida. E quando a morte de Yachine é anunciada em 1990, antes de um jogo do Benfica, as cameras voltaram-se para a delegação portuguesa: Eusebio não aguentou e desfez-se em lágrimas Quando Eusebio morre em 2014 aos 76 anos, Portugal decreta três dias de luto nacional. O corpo do grande futebolista percorre o Estádio da Luz, de acordo com seu desejo, sob os olhos em lágrimas de fãs portugueses, que foram dar um último adeus ao "Pantera Negra". O Estádio da Luz é o "seu" estádio, como evidenciado pela sua estátua à entrada. A próxima geração: os novos talentos de S.L Benfica Mile Svilar, o guarda redes do S.L. O Benfica, um belga de 18 anos, recentemente fez um nome por si mesmo ... por uma boa e uma má razão! Em 17 de outubro de 2017, ele tornou-se o guarda redes mais novo a jogar na Liga dos Campeões aos 18 anos e um mês: "para as almas bem-nascidas, o valor não aguarda o número de anos". Mas na mesma partida entre S.L. Benfica e Manchester United, ele também... marcou um golo contra a sua própria equipa, voltando para a baliza com a bola após um livre. Ups. Ele precipitou a derrota do seu clube, que teve que conceder a vitória (0-1). Ele pediu imensas desculpa aos seus adeptos, e estava inconsolável no final do jogo... Talvez tenha sido a pressão de jogar um grande jogo contra o Manchester United.

Ler mais
Visite o Estadio da Luz, estádio histórico S.L. Benfica

Visite o Estadio da Luz, estádio histórico S.L. Benfica

Cultura e Arte

Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico

2 anos atrás - Julie D.

O Largo do Carmo é um pequeno lugar tranquilo numas das colinas de Lisboa. Para ser descoberto durante os momentos em que a multidão de turistas se afastou, tem um charme discreto, com a sua fonte cercada por jacarandás. Em vez de apressar-se a apanhar o elevador de Santa Justa, pode subir os becos do Chiado, antes de chegar ao Largo do Carmo, e saborear a atmosfera pacífica que emana deste lugar. Um pequeno quadrado para descobrir na primavera, no meio das flores O Largo do Carmo é particularmente espetacular entre meados de Maio e início de Junho, quando os jacarandás, também chamados de flamboyante azul, florescem. Essas árvores originárias da América do Sul, e especialmente do Brasil, são cobertas de cachos de flores de um azul violeta delicado. Estas são as mesmas árvores que adornam os jardins de Mamounia em Marráquexe. No meio, uma fonte graciosa, trono da praça, também conhecida como Chafariz do Carmo. Esta é a única fonte de nicho em Lisboa: quatro pilares encontram-se acima da bacia, ligados por quatro arcos encimados por golfinhos. Construído em 1771, foi projetado por Reinaldo Manuel dos Santos, num estilo que mistura clássico e barroco. No número 18, Fernando Pessoa morou, de 1908 a 1912, numa pequena sala alugada. O Elevador de Santa Justa não é uma obrigação... A maioria dos guias de viagem tem grande cuidado para recomendar o uso do elevador de Santa Justa. Este "elevador" é um dos quatro que Lisboa tem. Na cidade das sete colinas, seria necessário subir, num momento ou outro ... Os famosos elevadores, símbolos da cidade e apreciados pelos turistas, resolveram em parte o problema, proporcionando meios de ascensão rápida e fácil dos lugares na cidade onde a elevação é um pouco íngrime. A particularidade do elevador de Santa Justa é de ser um elevador real, enquanto os outros três, os ascensores da Lavra, Glória e Bica, são funiculares que costumavam funcionar com energia hidráulica e hoje com eletricidade. Todos foram desenhados pelo mesmo engenheiro, Raoul Mesnier du Ponsard. Ao contrário da lenda, Mesnier du Ponsard não era o aluno, nem mesmo o admirador de Gustave Eiffel, com quem não tinha ligação, embora seja verdade que muitos vêem semelhanças entre o elevador de Santa Justa e a Torre Eiffel. O Elevador de Santa Justa foi construído em 1902, num elegante estilo neogótico do final do século, e liga a Rua de Santa Justa ao Largo do Carmo. Na Rua de Santa Justa, a sua silhueta esbelta forma um contraste surpreendente com a rua, que parece de repente estreitar, e os edifícios que o elevador domina do topo de seus 45 metros. No topo, uma passarela metálica ornamentada liga a cabine do elevador ao Largo do Carmo; também pode subir ao miradouro, que dá uma magnífica vista panorâmica. No entanto, na maioria das vezes, aguarda-o uma longa espera: nos períodos de pico, é necessário fazer fila entre 20 minutos e uma hora para apanhar o elevador, muito popular entre os turistas. A mesma caminhada leva apenas alguns minutos - se não se demorar no caminho em frente das montras das muitas lojas do Chiado... Então, terá a possibilidade de observar, a partir da ponte ou da vigia, a vista deslumbrante das colinas de Lisboa, o Tejo, os telhados da cidade e o Convento dos Carmelitas. No entanto, não é necessário apanhar o elevador para aproveitar todas essas belezas. Elevador de Santa Justa - Entrada incluída no Cartão de Lisboa ou CARRIS / METRO Pass 24h, ou € 5,15 para o elevador, acrescido de € 1,50 para o miradouro (acesso à ponte é livre). Convento do Carmo e o Museu Arqueológico do Carmo A praça Largo do Carmo tem o nome do antigo Convento do Carmo, fundado em 1389 e em grande parte destruído pelo terramoto de 1755. O edifício nunca foi (propositalmente) restaurado. O único edifício em Lisboa que dá uma idéia da extensão dos danos. Isso dá, mesmo sob o intenso céu azul e o sol de verão quente, uma aura de melancolia. Sic transit gloria mundi... As imponentes paredes exteriores da antiga igreja permanecem eretos e brancas como penhascos; mas quando entra, surpreende-se ao ver os arcos majestosos que se elevam no vazio; o terremoto destruiu completamente o telhado. Assim, entramos numa igreja aberta com um charme muito especial. Apenas uma pequena parte do interior sobreviveu. Num dos lados da igreja, encontrou refúgio um pequeno museu arqueológico, com simpatia eclética. Há restos dispersos de todos os períodos da história portuguesa, tumbas góticas (incluindo a de Dinis I de Portugal, que apresenta cenas de javali de caça), fontes, estelas e janelas de todo o país. No sarcófago gótico, as cenas esculpidas mostram um luxo de detalhes: o de Don Fernando I, apresenta num dos seus lados uma paisagem bucólica de bosques, com um primeiro plano de uma escada em que um pequeno indivíduo se sentou para ler, à saída de uma igreja. A coleção também inclui artefatos pré-históricos descobertos durante uma pesquisa no sítio de Azambuja, na região do Alentejo, datando de 3500 a 1500 AC. Finalmente, para aqueles que sonham com Indiana Jones, duas pensativas mumia Peruana do século XVI, olham os visitantes, agachadas nas suas janelas. Convento do Carmo e o Museu Arqueológico - Largo do Carmo, 1200-092 Lisboa - entrada 4 € - de segunda a sábado, das 10h às 18h no inverno (de Outubro a Maio) e das 10h às 19h no verão (Junho a Setembro) - encerrado domingos, 25 de Dezembro, dia de Ano Novo e 1º de Maio. A Igreja de Saint-Roque e o seu museu - Igreja de São Roque A austera fachada branca da Igreja de São Roque esconde bem o seu jogo. Sob um exterior muito severo e, ao mesmo tempo, aborrecido, contém um interior muito suntuoso. As capelas laterais adjacentes à nave principal são, cada uma à sua maneira, uma jóia da arte barroca. O mais impressionante, e com razão, é a capela de São João Batista, no estilo rococó. É uma devassidão de ouro, prata, mármore e pedras preciosas. As cenas marcantes do Apocalipse são recriadas em mosaicos: algumas das peças que compõem essas pinturas não medem mais de 3mm. Encomendada pelo rei João V, o Magnânimo, a capela foi criada em Roma por dois artistas italianos, depois abençoados pelo próprio Papa, antes de ser desmantelada peça por peça e transportada de barco para Lisboa. A capela é separada da igreja por uma balaustrada de mármore verde; no chão, um mosaico de pedras finas representa a esfera armilar, símbolo dos reis de Portugal. Lapis lazuli em colunas parecem apoiar um cofre hexagonal decorado com cabeças de putto. O resto da igreja, "mais sóbrio" (se podemos falar de sobriedade para a arte barroca), é lindo. O tecto encanta os olhos, os azulejos, as abóbadas das capelas, as colunas torcidas decoradas com folhas de videira, dão toda uma serenidade arrogante. A casa, ao lado da igreja, é um pequeno museu de arte religiosa, que também abriga o tesouro da capela de São João Batista. Esta parte do museu era anteriormente o lar dos irmãos jesuítas que fundaram a igreja. Não se esqueça de passar momentos apaixonantes no claustro, decorado com um jardim paisagístico que reúne quatro espécies de bambu em torno de um espelho de água retangular. Igreja de São Roque e o Museu de São Roque - Largo Trindade Coelho, 1200-470 Lisboa - Baixa-Chiado Metro - Entrada gratuita na igreja; museu 2,50 € - Museu aberto das 10h às 18h (19h no verão) de terça a domingo e das 14h às 18h à segunda-feira - encerrado nos dias 1º de Janeiro, domingo de Páscoa, 1º de Maio e 25 de Dezembro.

Ler mais
Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico

Descubra o Largo do Carmo e o seu charme romântico